Publicidade

Publicidade

16/08/2011 - 16:04

PlayStation 3 mais barato no mundo todo – em breve, também no Brasil

Compartilhe: Twitter

Você já deve ter ouvido falar: a Sony anunciou hoje, na Gamescon em Colônia (Alemanha), a redução global do preço de varejo do PlayStation 3.

Ficou assim: nos Estados Unidos, o modelo de 160 GB passará a custar US$ 249; na Europa, 249 euros; no Japão, 24980 ienes.

(Update: segundo a Sony, somente o modelo de 160 GB passará a custar US$ 249. O modelo de 320 GB ficará em US$ 299. Leia aqui).

E no Brasil, você me pergunta? Levei à questão aos representantes da Sony Brasil, mas eles estavam ocupados, blogando isso em nome do presidente e CEO da Sony Computer Entertainment America, o ilustre Jack Tretton:

“Fico feliz em revelar que os modelos de 160GB e 320GB do PS3 terão os preços reduzidos nas lojas da América Latina. Diferentes fatores, como impostos de importação, conformidade com requerimentos e outros, influenciam as diferenças de preços que os consumidores encontrarão nesta região. Os preços em cada país da América Latina serão anunciados posteriormente.”

Lembrando que atualmente o PlayStation 3 brasileiro – com HD de 160 GB – custa R$ 1399,00 (preço promocional até 30 de agosto). Até quanto mais poderá cair? Alguém chuta?

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , ,
11/08/2011 - 18:04

Entrevista da Semana: Fabio Santana (PlayStation.Blog)

Compartilhe: Twitter

E hoje, conforme o prometido, tem Entrevista da Semana.

Fabio Santana já foi entrevistado anteriormente aqui no Gamer.br, em 2006, mas isso era quando ele era um “simples” editor de revistas especializadas. Com experiência de mais de 15 anos a serviço do jornalismo de games – passou por publicações como Gamers (na Ed. Escala), EGM Brasil, Nintendo World, SuperDicas PlayStation (na Conrad e na Futuro), Xbox 360, Dicas e Truques para PlayStation, Old Gamer! e Edge (na Ed. Europa) -, Fabão é unanimidade entre colegas, leitores e a indústria. Talvez por isso, recebi com sentimentos agridoces a notícia, em primeira mão, de que ele estaria deixando as revistas para se tornar editor do blog oficial do PlayStation no Brasil.

Mas se por um lado a imprensa especializada perde, a indústria ganha: a Sony Brasil não poderia estar melhor representada nessa recente empreitada visando o contato mais próximo com o consumidor final. Fabio é o responsável pelo conteúdo do PlayStation.Blog, além de se comunicar diretamente com os leitores, capturando esse feedback e transformando em ações efetivas. No meu entendimento, ele é o homem certo para o negócio e tem tudo para se dar bem. Mas é óbvio que os leitores de revistas de games (eles existem ainda!) sentirão bastante a falta…

No papo a seguir, Fabão fala sobre suas novas funções, discute o jornalismo de games e faz previsões para o mercado nacional. Leia, divulgue e não deixe de comentar no final.

***

Gamer.br: Você sempre foi sinônimo de jornalismo de games no Brasil. Daí, de repente, se viu diante do desafio de mudar de lado, ou seja, pular para a trincheira do “adversário”. Metáforas a parte, como você enfrentou a questão desse novo desafio profissional?
Fabio Santana: A mudança não foi tão radical quanto pode parecer. Continua valendo o tino jornalístico para pautas relevantes, o cuidado de apurar o conteúdo e aquele preciosismo no trato do texto. O escopo é diferente, é verdade – é preciso pensar na abordagem a que se propõe o PlayStation.Blog, que é um veículo oficial de PlayStation e visa a apresentar a informação com esse caráter, oficial, direto da fonte. Mas não há intenção de embelezar ou mascarar fatos para vender mais. O jogador é um consumidor especialmente inteligente e crítico, e percebe quando há uma linguagem excessivamente marqueteira. Pelo contato que tenho com a equipe global do PlayStation.Blog, tenho tido a satisfação de perceber que os responsáveis pelo veículo são jogadores como eu, e também jornalistas, com essa preocupação de dar espaço ao que vale o tempo do leitor, e de tratar essa informação de uma maneira original, para que seja uma leitura agradável.

Na prática, qual é a diferença em trabalhar para uma grande corporação da indústria e para um veículo de comunicação tradicional? Como suas rotinas se diferenciam?
FS: Como eu disse, no que diz respeito ao conteúdo, à pensata de pautas e tal, pouco mudou. Tenho bastante liberdade para escolher o conteúdo estrangeiro que iremos localizar no PlayStation.Blog BR, e ainda não tive muito tempo para criar matérias próprias, mas já estou alinhando algumas.
Algo que mudou, e que está sendo empolgante, é o contato com os bastidores, com a preparação do conteúdo e das ações que os jogadores vão curtir. Não trabalho diretamente na Sony Brasil, mas na Router Beta, a agência BTL que desenvolve as ações de lançamento e eventos para a linha PlayStation no Brasil. Assim, tenho a oportunidade de participar do planejamento dessas ações e oferecer algum input, tanto como jogador quanto como jornalista.Também estou em contato direto e diário com a Sony Brasil e a Sony Computer Entertainment America para alinhar algumas comunicações. É o caso, por exemplo, das atualizações semanais da PlayStation Store brasileira.
Ainda administro o site oficial, e também estou sempre interagindo com os leitores do PlayStation.Blog, levando suas dúvidas para a Sony e dando a eles um retorno. Muito em breve teremos também perfis nas redes sociais. É gratificante poder agora fazer essa ponte entre os jogadores e a empresa que cria todo esse entretenimento.

E a parte complexa de trabalhar no “outro lado”? Agora, do ponto de vista do consumidor, seu papel supostamente mudou – você representa a empresa para quem eles reclamam quando se sentem prejudicados. Antigamente, você era o porta-voz desse consumidor perante a indústria. A transição é mais complexa, visto que você ainda permanece sendo um consumidor também?
FS: Vejo mais como uma oportunidade maior do que como uma mudança de lado. A Sony, como um todo, é hoje uma empresa centrada no consumidor, e a chegada dos canais oficiais de PlayStation no Brasil são uma amostra disso. Agora os jogadores brasileiros têm um contato muito mais próximo com a empresa, e podem fazer isso na sua língua nativa. Eu me encontro nesse ponto de contato interessante, em que entendo as necessidades do consumidor, como consumidor que sou dos produtos de que trato, e tenho esse compromisso de fazer valer essa voz do povo, como jornalista que continuo sendo, e posso levar esse feedback para a empresa da qual eles possam ter eventuais dúvidas ou reclamações, e então trazer algo de volta, na forma de uma solução ou posição oficial. Não foi uma transição complexa, mas talvez a oportunidade de fazer mais.


Fabio em sua primeira aparição como editor do blog PlayStation, em julho último

Sei que é difícil falar sobre isso nesse momento, mas… Os leitores órfãos de seu trabalho opinativo, será que poderão sonhar com você comandando algum veículo de informação independente novamente? Ou esta é uma página virada em sua carreira?

FS: Olha, não tenho o hábito de planejar muito a minha carreira. Meio que miro uma direção geral e me condiciono um pouco a arriscar uns passos para lá, mas sem forçar nada, sem ficar encanado com isso. Agora estou bem atarefado com tudo isso, estou bastante realizado e não pretendo fazer nada diferente tão cedo – meus projetos costumam ser de longo prazo. Está sendo legal a transição do impresso para o orgânico meio online. No futuro, talvez eu queira estar ainda mais próximo da indústria. Ou não. O fato é que continuo a escrever e não pretendo deixar de fazê-lo.

Sua trajetória é uma das mais impressionantes desse mercado, levado em conta que você fugiu do caminho tradicional “faculdade-estágio- emprego etc”. Chegar à posição que está hoje me parece a cereja do bolo. Olhando para trás, como conseguiu essa trilha vitoriosa? Como foi chegar daquele tempo antigo, quando você nem pensava em trabalhar com a Gamers, até aqui, um executivo engravatado?
FS: [Risos] “Executivo engravatado” passou longe aqui. Ainda tenho muito do garoto com o brilho no olhar por poder escrever sobre games – inclusive o jeans e a camiseta do jogo favorito. Mas, de fato, o alcance e as responsabilidades aumentaram muito ao longo desses anos todos. A que atribuo isso? Às pessoas. Não fossem pelas pessoas que deram oportunidades, por aquelas que tanto ensinaram, por tantos que estiveram lado a lado construindo, eu com certeza não teria conseguido fazer as coisas bacanas que pude fazer. A disposição das pessoas sempre supriu minhas faltas – de conhecimento, de experiência, de formação etc. Eu meramente procurei absorver o que tinha a aprender de profissionais como você, Eduardo Trivella, André Forastieri, Théo Azevedo, Felipe Azevedo, Humberto Martinez, Nelson Alves Jr., Gustavo Petró, Roberto Araújo e tantos mais. Tive a grata oportunidade de conhecer tanta gente boa no que faz.

Falando sobre jornalismo propriamente dito: atualmente, com o imediatismo das redes sociais e a democracia dos blogs opinativos, qual é o papel do jornalista tradicional? Para que vamos servir? O que o futuro reserva para o jornalismo profissional diante do quadro atual em que todo mundo possui opinião própria e produz conteúdo?
FS: Espero que preservemos o bom senso numa realidade em que as pessoas, inclusive jornalistas, muitas vezes usam a boca (ou os dedos) antes do cérebro, geralmente seduzidos pela audiência. O jornalista deve ser preciso sem se precipitar, deve analisar fatos, ouvir pessoas, vislumbrar a dimensão real das coisas, e isso demanda tempo. Quero acreditar que o profissional que atente a esses valores do ofício será sempre apreciado e necessário.

Como você enxerga hoje a situação do jornalismo de games no Brasil, o dos grandes veículos e o independente? Você deve ter uma visão diferenciada sobre isso, já que agora está “do outro lado”…
FS: Não diria uma visão diferenciada, já que venho recentemente de um veículo independente e, mesmo agora, como representante de canais oficiais, continuo, na prática, sendo parte desse rico ecossistema, né? E minha visão é justamente essa, a de que temos hoje um segmento multifacetado, com meios e abordagens para todos os públicos. O impresso se reinventa com as interações sociais e disponibilidade em formatos digitais, o online avança com a velocidade típica de seu meio, o segmento cresce na TV e as iniciativas independentes se multiplicam pelos blogs e revistas digitais. É verdade que, muitas vezes, ainda é um grande desafio viabilizar os veículos comerciais, mas o amplo crescimento do mercado nacional de jogos tem colaborado para a saúde do segmento editorial especializado. A indústria nacional em maturação é um campo muito mais explorado pela mídia: profissionais brasileiros se destacam lá fora, estudantes e pesquisadores têm projetos premiados, estúdios nacionais diversificam suas operações. As produtoras também dão cada vez atenção ao nosso país, investindo mais em localização ou ações de lançamento e dando melhor suporte ao profissional da imprensa. É um momento fantástico para ser um jornalista de games no Brasil.

Há uns anos te perguntei isso, mas tanto tempo se passou e você passou por tanta coisa que talvez sua opinião tenha mudado: quais são as dicas e toques que você dá para quem quer começar nessa profissão, e se manter bem nela depois?
FS: Não me lembro bem do que falei da outra vez, mas deve ter sido algo do tipo “faça um blog, publique seu trabalho, procure estabelecer e manter contato com gente da área”. Isso continua válido, mas são cada vez mais frequentes os casos em que as empresas buscam estudantes de Jornalismos nas universidades mais conceituadas, para atuarem como estagiários. Muitos não tinham sequer textos publicados, mas se candidatam pelo amor ao hobby e acabam pegando gosto pela profissão e crescendo nela. Agora, para se manter bem, o segredo é ser do… bem. Além do talento e disposição, tem que ter caráter e ser parceiro. São dicas básicas para se obter o sucesso em qualquer carreira, mas sempre é bom ressaltar. Afora isso, é buscar sempre se manter relevante.

E o Brasil dos games tem jeito? Já chegamos no auge, ou estamos longe de chegar no topo?
FS: Jeito ele tinha há uns três, cinco anos. Agora ele já dá são frutos. Com o balanço da economia mundial afetado, países emergentes como o Brasil ganharam posições na fila de prioridades das grandes multinacionais. No segmento de games, vimos a chegada de novas produtoras, que estão investindo em divulgação e no relacionamento com o consumidor brasileiro – sem puxar sardinha, a Sony Brasil já mostrava isso com diversas ações legais de lançamento, e agora se aproxima ainda mais dos jogadores com a presença forte nos canais online. Olhando para trás, estávamos carentes de eventos, agora temos quase um circuito deles. Temos cada vez mais jogos localizados em português, cada vez mais soluções oficiais para problemas antigos, cada vez mais empresas mostrando interesse no nosso país. Então estamos numa situação muito mais interessante que há poucos anos, mas é claro que há espaço (e potencial) para crescermos muito mais. Uma parte importante desse potencial passa pela questão dos impostos, que, reduzidos, tornariam nosso mercado mais competitivo e atraente. Então o mercado já me parece bem encaminhado.
Agora o que eu, pessoalmente gostaria de ver melhorar ainda é a indústria nacional, a criação de jogos em território brasileiro. Gente interessada e talentosa não falta por aqui, então é questão de se criarem as oportunidades. Países como Canadá e França oferecem benefícios fiscais para o setor e geram milhares de empregos. Gostaria muito de ver isso no Brasil um dia.

Autor: - Categoria(s): Entrevista da Semana, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , ,
22/07/2011 - 18:48

Sony lança PlayStation Network no Brasil

Compartilhe: Twitter

A Sony fez seu barulho hoje em um evento para a imprensa brasileira. O tema? O aguardado lançamento da PlayStation Network no Brasil.

Não que houvesse muita novidade para se revelar. Afinal, desde ontem a notícia já havia sido distribuida por canais oficiais, estragando um pouco a surpresa da festinha de hoje. No mais, ficamos sabendo que a loja online da família PlayStation já está em funcionamento no Brasil, com games disponíveis em reais, além de outros tipos de conteúdos para download. Tudo pode ser pago com cartão de crédito internacional emitido por aqui. Em breve, a Sony colocará no mercado cartões pré-pagos também (não se sabe quando, mas será ainda em 2012 2011).

A ocasião ainda serviu para lançar oficialmente o site PlayStation no Brasil, além do blog oficial, que será comandado pelo amigo jornalista Fabio Santana, muito provavelmente um dos maiores pensadores teóricos da indústria mundial de games no país. Muita sorte e sucesso para ele.

Veja abaixo o comunicado completo emitido hoje pela Sony:

SONY LANÇA PLAYSTATION NETWORK BRASIL, SITE E BLOG
Brasileiros também ganharão páginas nas principais redes sociais

A partir de hoje, os gamers brasileiros podem comemorar a chegada da rede PlayStation Network específica para o mercado brasileiro. Os usuários já podem criar suas contas, acessar conteúdos exclusivos em Português, comprar na PlayStation Store, entre outros serviços. A ação faz parte dos planos de expansão da marca PlayStation na América Latina.

“Hoje damos início a uma nova fase. Com a Playstation Network Brasil, o consumidor brasileiro terá acesso a um mundo de entretenimento singular. Poderá baixar jogos, demos, add-ons, wallpapers e ter acesso a inúmeros conteúdos exclusivos, que estarão disponíveis a todos os usuários do console PS3. Para isso, basta ter uma conexão de internet e criar uma conta na PSN Brasil. A criação de contas é grátis e todos as transações de compra serão feitas em moeda nacional, trazendo muitos benefícios e diversão ao nosso público”, afirma Glauco Rozner, novo Gerente Geral de PlayStation e VAIO da Sony Brasil.

O Brasil será o segundo país da América Latina a receber a plataforma digital. Nesta primeira fase, os consumidores poderão fazer download de jogos para PS3, todos com a devida classificação etária do Governo brasileiro. Em breve, a Sony proporcionará o acesso a games de outros consoles. Também será possível criar sua galeria de troféus, entre outros recursos. A PlayStation Store disponibilizará os principais lançamentos aos brasileiros. A loja virtual vai operar com moeda nacional e os consumidores poderão usar cartões de crédito internacionais, mas emitidos por bancos brasileiros. A PlayStation Home e a PlayStation Plus serão lançadas em fases posteriores.

A PS Store no Brasil contará com aproximadamente 200 opções de conteúdo da Sony Computer Entertainment para PS3, além de várias escolhas de outros desenvolvedores como Ubisoft e Capcom. Serão feitas atualizações semanais a partir de 02 de agosto, permitindo que o consumidor faça ainda mais downloads de games.

“A nossa seleção de jogos foi feita com o jogador brasileiro em mente”, afirma Mark Stanley, Gerente Geral da América Latina. “Quando os brasileiros entrarem na PlayStation Store, eles irão encontrar os melhores e mais populares títulos, como God of War™: Collection, inFAMOUS™ e Assassin’s Creed II: Deluxe Edition. Clássicos do PlayStation 1™, como Metal Gear Solid e Street Fighter Alpha. Os consumidores brasileiros também poderão testar lançamentos, como Heavy Rain, Killzone™3, God of WarTM3 e LittleBigPlanet™, além de demos de futuros títulos. Continuaremos a desenvolver e atualizar mais e mais conteúdos regionais à medida que a PlayStation Network for expandida no Brasil.”

(…)

A Sony prevê que mais de um milhão de pessoas devam integrar a PSN Brasil até o fim de 2011.

Também como parte desses lançamentos, a Sony anuncia o programa Welcome Back para os brasileiros. Os usuários que tiveram sua conta interrompida durante a paralisação da PSN poderão fazer o download gratuito de alguns jogos.

Serão dois jogos de PS3 da lista abaixo:
Dead Nation
inFAMOUS
LittleBigPlanet
Super Stardust HD
WipEout HD + Fury

E dois jogos para PSP da lista abaixo:
LittleBigPlanet (PSP)
ModNation Racers
Pursuit Force
Killzone™ Liberation

A Sony também vai oferecer um tema intitulado Pixel Wonderland como bônus a todos que se cadastrarem na PlayStation Store. Esse bônus estará disponível até meia noite do dia 21 de agosto, proporcionando aos usuários 30 dias para uso desse benefício a partir da data de cadastro.

***

A parte negativa do evento: a notícia de que o Anderson Gracias não é mais o responsável pelo setor PlayStation no Brasil. Desde 2009 no cargo de gerente geral de PlayStation, que exerceu com relativa facilidade, Gracias ganhou um upgrade dentro da empresa: é o novo gerente geral de vendas e direct business da Sony Brasil. O Gamer.br também dá parabéns e deseja sorte ao executivo em sua nova empreitada.

O cargo de gerente geral de PlayStation passa a ser ocupado por Glauco Rozner, que já tem anos de Sony e passa a acumular também o cargo de gerente da linha de notebooks Vaio.

***

E agora que World of Warcraft foi anunciado, que a PSN estreou… o que mais falta acontecer no mercado nacional? Será que sobrou ainda alguma notícia quente para 2011?

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , ,
08/07/2011 - 20:30

Enquanto isso, no Brasil… "Promoções" de Férias reduzem preços de PS3 e Xbox 360

Compartilhe: Twitter

As férias, veja só, deixam as empresas generosas.

O PlayStation 3 brasileiro ganhou mais uma redução de preço.

O release abaixo chegou há algumas horas e indica que o console lançado por aqui pela Sony Brasil vai ficar R$ 200 mais barato – de hoje até o final de agosto (release a seguir).

A Sony Brasil anuncia preço especial para o console PlayStation 3 entre 08 de julho a 30 de agosto de 2011. O produto será comercializado por R$ 1.399,00 nesse período em todas as lojas Sony Style e nas revendas autorizadas. O PS3 já conta com mais de 35 títulos oficiais de games no Brasil, incluindo grandes sucessos como as séries God of War e Gran Turismo.

Ontem, coincidência ou não, a Microsoft Brasil publicou em seu site oficial, sem nenhum alarde, o novo valor do bundle do Xbox 360: R$ 1599 (antes era R$ 1899), somente até o final do mês de julho (ou enquanto durarem os estoques):

O novo Kit Oficial 250GB está aqui, pronto para o amanhã, com um design elegante e um acabamento preto brilhante. Possui Wi-Fi embutido para facilitar a conexão ao Xbox LIVE e além de ser mais silencioso. Com um HD de 250GB, o kit ainda conta com um cabo HDMI, um Controle Preto sem fio, um Headset Preto com fio e os jogos Alan Wake e Forza III (…)

Há quem pergunte (eu inclusive): como esses preços caem tanto e tão frequentemente… e ainda continuam altos? E, mais importante: quão baixos esses preços podem se tornar? Qual o valor mínimo que um PS3 e um Xbox 360 podem ter no Brasil? Alguém se arrisca?

Mas é preciso deixar a ranhetice de lado por 30 segundos e se concentrar na notícia: de fato, os videogames de ponta estão ficando cada vez mais baratos no país. Sorte de quem deixou essa decisão de compra para julho. É aproveitar já, ou esperar os preços caírem mais – o que não duvido nada que aconteça ainda esse ano...

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , ,
08/06/2011 - 00:30

E3 2011: Brasil terá uma PS Store em 2011, diz Sony

Compartilhe: Twitter

Em entrevista coletiva realizada agora há pouco em um hotel no centro de Los Angeles, o executivo Mark Stanley, diretor e gerente geral da Sony para a América Latina, confirmou que a versão brasileira da loja online PS Store será lançada no segundo semestre, provavelmente antes do mês de outubro. Simultaneamente, a Sony também irá estrear o site nacional dedicado ao mercado brasileiro, assim como o PlayStation Blog 100% nacional (ao que consta, editado por um jornalista especializado bem conhecido do público).

Para os usuários brasileiros que se cadastraram na PSN como se fossem de outros países, uma má notícia: não será possível ”migrar” a conta estrangeira para ter acesso posteriormente ao conteúdo da loja brasileira. O consumidor será obrigado a criar uma conta brasileira do zero, o que significa perder troféus e conteúdo adquirido previamente, como games, extras e add-ons. De acordo com a Sony, o usuário que quiser comprar na PS brasileira poderá adquirir os conteúdos disponíveis pagando em moeda brasileira e utilizando cartão de crédito. Cartões de pontos provavelmente serão distribuídos e vendidos no país, mas os detalhes sobre o tema não foram revelados na coletiva.

O conteúdo a ser oferecido na PlayStation Store brasileira também não foi revelado, mas deverá ser “gradual”, nas palavras de Stanley. Primeiro, será dado ênfase aos games e demos, lançamentos e antigos (a lista de jogos disponíveis na estréia está em definição pela Sony). Outros tipos de conteúdo serão adicionados na medida do possível – o movimento é, de certa forma, semelhante à maneira com que a rede Xbox Live (da concorrente Microsoft) foi lançada no Brasil, há alguns meses: aos poucos, de forma lenta e exigindo paciência dos consumidores brasileiros. Mas não há dúvidas de que a notícia representa sim, um progresso. Vejamos como exatamente isso se dará.

Amanhã, trarei mais informações sobre esse tema polêmico e controverso. Você aguenta esperar até lá? Espero de coração que sim.

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Cobertura E3 2011 Tags: , , , , ,
07/06/2011 - 10:57

E3 2011: O Café no Bule da Nintendo

Compartilhe: Twitter

A E3 2011 propriamente dita começa hoje, após a coletiva da Nintendo lá no Nokia Theater, em Downtown LA. Antes disso, é o que chamamos vulgarmente de pré-E3.

Em sua apresentação para a imprensa, a última entre as grandes fabricantes, a Big N deve revelar ao mundo detalhes de seu novo console de videogame. O nome-código, Project Cafe, dá o que falar e gera dezenas de piadinhas e trocadilhos horríveis (vide o meu título). Todos especulam, mas ninguém sabe ao certo o que esperar do sucessor do Wii.

É uma novidade em se tratando da Nintendo, a ousadia de mostrar detalhes de um novo console doméstico antes da concorrência. Nas gerações anteriores, a fabricante japonesa sempre pegou o bonde andando – seja por vacilo mesmo (no caso do Nintendo 64 e do GameCube), seja para esconder o jogo e enganar os competidores (no caso do Wii). Com o o Cafe, a ideia é sair na frente e mostrar que a Nintendo pensa diferente, adiante e está em outro patamar – pelo menos é isso que o movimento ousado dá a entender. Saberemos melhor em exatamente duas horas e 15 minutos.

O que você está esperando? Eu prefiro não especular.

***

Ainda hoje, também saberemos mais sobre a atuação da Sony no Brasil. É real o rumor de que a rede PSN enfim se tornará uma realidade, com PS Store nacional e tudo? A fabricante deve (ou não) confirmar a informação ainda hoje. Existe um otimismo entre a imprensa nacional cobrindo a E3 – mesmo porque, se a notícia não se concretizar, é porque estamos mesmo em baixa (o que não é o caso, sabemos bem).

***

Relembre comigo como foi o primeiro dia de E3 2011 (clique e prestigie):

Como foi a coletiva da Microsoft, onde eles mostraram que Kinect é o grande barato.

Como foi a coletiva da EA, onde eles admitiram que futebol é o maior negócio do mundo.

Como foi a coletiva da Ubisoft, onde eles confessaram que são os melhores, e pronto.

Como foi a coletiva da Sony, onde eles pediram desculpas e mostraram o portártil PSVITA.

Como foi a festa pós-Sony, onde o Jane’s Addiction ganhou uns trocados a mais.

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Cobertura E3 2011, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , , ,
06/06/2011 - 06:12

E3 2011: Começou de novo

Compartilhe: Twitter

Cá estou ao vivo, direto de Los Angeles.

A E3 2011 vai começar amanhã. Estamos cansados, exaustos, mas vamos nessa. Tudo pode acontecer. E as tradições, de certa forma, vão se repetindo.

Nessa segunda-feira logo cedo, 9h daqui (13h no horário de Brasília), a Microsoft vai começar a brincadeira, mostrando suas armas em sua coletiva de imprensa no suntuoso Galen Center. E isso não significa exibir mais um console em seu repertório iniciado há não muito tempo com o Xbox. Vale lembrar que, em 2009, o grande momento da coletiva da Microsoft foi a aparição de dois quartos dos Beatles – Paul e Ringo; no ano passado, foi a vez do Kinect (os jornalistas e convidados foram utilizados como cobaias do brinquedo). E esse ano?

Mais tarde, a Sony tentará se redimir de seus pecados com o maior e mais longo evento para a imprensa da história da E3. Deve começar às 17h e terminar bem tarde. Tudo pode acontecer – literalmente: há quem diga que até o Brasil terá novidades (PS Store nacional?). Mas e se hackers decidirem atacar para estragar a festa?

E no dia seguinte, a Nintendo finalmente, e pela primeira vez na história, vai mostrar seu novo videogame antes da concorrência. O tal do Project Cafe estará disponível e em detalhes – poderemos até encostar no dito cujo. Quem sabe jogá-lo? Revelar tanto e com tamanha antecedência não faz parte da tradição da Nintendo. Ou será que é pegadinha para pegar os adversários de jeito?

E3 é isso aí: emoções, decepções, especulações, noites sem dormir. Mas não estou ouvindo ninguém reclamar.

Até logo mais, aqui mesmo e em tempo real no Gamer.br e por aqui.

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Cobertura E3 2011, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , , , ,
18/05/2011 - 12:16

A rede PSN ainda não está tão segura assim…

Compartilhe: Twitter

Você recebeu um e-mail da Sony dizendo que sua senha da PSN foi alterada? Ok. Mas se você recebeu a mensagem e NÃO alterou a senha, é porque possivelmente as coisas ainda não estão tão seguras na rede online do PlayStation 3…

É o que alerta esse relato da revista Time.

Ninguém falou que seria fácil resolver esses problemas, mas está tomando tempo demais. E a cada dia, o prejuízo da Sony aumenta. O que será que a empresa está preparando para o discurso de desculpas na E3? Será preciso adiantar algumas revelações para eclipsar esse tema no interesse da imprensa especializada. Mesmo porque, Nintendo e Microsoft provavelmente mostrarão novidades sobre seus novos consoles…

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , ,
10/05/2011 - 11:56

Sony "fala" sobre PSN e consequências para o Brasil

Compartilhe: Twitter

A Sony se pronunciou em seu blog sobre a questão PSN… e citou o Brasil pela primeira vez. Na verdade, quem assina o texto é o Mark Stanley, gerente geral da empresa para a empresa para a América Latina. A assessoria da Sony Brasil gentilmente traduziu o post.

Como muitos de vocês já leram nas recentes comunicações realizadas pelo Sr. Kazuo Hirai e por Howard Stringer, a Sony oferecerá proteção contra o acesso indevido às identidades para todos os afetados pelo ataque cibernético de hackers à PlayStation Network e vantagens especiais aos seus clientes. Grande parte de vocês certamente acompanhou os detalhes sobre os serviços da PSN norte-americana.

Vocês também podem imaginar que fazer uma oferta similar para os países afetados na América Latina, tais como Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, México e Peru, implica em um processo muito complexo. Cada país tem um procedimento diferente para os casos que tiverem problemas com suas contas. Estamos analisando hoje as melhores possibilidades e soluções para nossos clientes da região e, quando tivermos este programa pronto para ser anunciado, forneceremos as particularidades dos serviços específicos de cada país e explicaremos como aderir ao programa. Nós daremos mais detalhes assim que possível.

Muito obrigado a todos pelo contínuo apoio neste período.

***

Ou seja, trocando em miúdos: no caso da PSN, o que vale para o resto do mundo não vale necessariamente para o Brasil. E alguém esperava algo diferente disso?

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , ,
04/05/2011 - 19:26

PlayStation 3: 20% mais "barato" no Brasil

Compartilhe: Twitter

Está valendo tudo para melhorar a barra da Sony.

Após o vazamento de informações de milhões de usuários da rede PSN (e de jogadores do game EverQuest), a imagem da fabricante japonesa está bastante prejudicada. Estima-se o prejuízo em US$ 2 bilhões – é o maior já sofrido por uma empresa graças a roubo de dados semelhante. Mais de 100 milhões de pessoas foram afetadas pelo problema, e a Sony ainda se vira do avesso para encontrar culpados e responder à justiça.

Talvez seja coincidência, mas a Sony Brasil aproveitou o dia de hoje para anunciar uma queda no preço oficial do PlayStation 3 no mercado brasilero. A partir de amanhã, o console passa de R$ 1999 para 1599 (uma queda de 20%). Levando em conta a cotação do dólar do dia de hoje, pode-se dizer que o preço do PS3 brasileiro foi de US$ 1250 a US$ 1000.

Quais as razões para tal redução agora? Elas estão no release divulgado há poucos minutos. Fique atento para o trecho que diz por quanto tempo dura a “promoção”: até 31 de julho de 2011, ou seja, pouco menos de três meses.

Sony Brasil reduz preço do PlayStation 3

A Sony Brasil reduzirá o preço do consagrado console PlayStation 3 de 160 GB do dia 5 de maio (quinta-feira) até o dia 31 de julho de 2011 (domingo) para R$1.599,00. O produto oficial da Sony poderá ser encontrado com este novo preço nas lojas físicas SonyStyle, no site da empresa www.sonystyle.com.br, além das grandes redes varejistas, incluindo seus sites de compras. O produto possui garantia da Sony Brasil de um ano.

Dentro da estratégia de proporcionar a melhor experiência ao seu consumidor final, a Sony Brasil também está oferecendo esta redução de R$400,00 no preço do produto por quase três meses. Este novo posicionamento de preços ajudará os consumidores de todo o País a tomar a decisão de comprar um produto oficial e nacionalizado, com garantia, que não trará riscos ou surpresas em sua diversão, de seus amigos e familiares todos os dias.

A hashtag desta promoção para divulgação no Twitter é #ps3oficial1599. Já o hotsite poderá ser acessado a partir de amanhã no endereço: www.sony.com.br/ps3oficial1599

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , ,
Voltar ao topo