Publicidade

Publicidade

31/08/2010 - 11:48

Entrevista da Semana: Mark Wentley (Nintendo of America)

Compartilhe: Twitter

Vamos zerar o assunto e começar de novo? Então vamos.

A Entrevista da Semana do Gamer.br é com Mark Wentley, o gerente de marketing e vendas da Nintendo para a América Latina. A conversa com ele rolou em junho, durante a E3 2010, em Los Angeles, e só está vendo a luz do dia hoje porque o tema discutido não poderia estar mais em voga: a atual situação do mercado brasileiro de games.

Pressionei Wentley sobre as dúvidas que normalmente os leitores endereçam a mim a respeito da Nintendo e da presença da empresa no Brasil. De certa forma, eu já estava me preparando para a matéria que finalizei hoje sobre a indústria nacional, para a edição de setembro da Rolling Stone Brasil (nas bancas em 10/9). Por conta de ter sido feita em junho, não há perguntas a respeito do lançamento do PlayStation 3 no Brasil – mas tenho conhecimento de que a Nintendo raramente cita os concorrentes em suas entrevistas, portanto nem fez tanta diferença assim. Enfim.

A seguir, as palavras de Wentley, o executivo norte-americano que responde pelas ações da Nintendo em nosso país. Leia, comente e passe adiante.

***

Gamer.br: Todo ano eu lhe pergunto o seguinte: o que a Nintendo planeja para o mercado brasileiro nos próximos anos? E o que mudou de 2009 para agora?
Mark Wentley: O que posso lhe dizer: em termos de informações novas,  não tenho nada para dizer nesse momento. Mas o que posso dizer é que para nós, a importância só cresceu. A resposta do mercado só cresceu e nosso interesse pelo Brasil só se torna maior a cada dia. Mas como você bem sabe, e já falamos antes sobre isso, é uma situação das mais complexas dadas o regime político, as complexidades das importações, os impostos, a distribuição é uma situação bem complicada, o que interefere no tempo em que é gasto para se fazer as coisas do jeito correto – e isso demora. Então, nós queremos ter uma presença maior, e há diversas maneiras de fazer negócios no Brasil, mas leva tempo para se fazer as coisas certas. Vamos continuar a estudar e avaliar a situação e queremos estamos estar mais envolvidos com os consumidores e com o mercado no futuro.

Houve reclamações sobre a falta de produtos Nintendo nas lojas brasileiras. Parece que estava difícil encontrar o Wii e o Nintendo DS para vender, assim como os games. O que o consumidor deve fazer para evitar comprar produtos no mercado cinza, ou importar por conta própria? Ou seja, o que o consumidor tradicional precisa fazer para conseguir comprar o produto que deseja?
MW:
Bem, estou um pouco curioso para saber de onde você está tirando essa informação, porque nós estamos vendendo produtos. Enviamos produtos o tempo todo, há Wii disponíveis. Eu estive no Brasil há um tempo, fazendo um acompanhamento do mercado, e havia produtos. Então, não tenho certeza de onde você tirou isso.

Foi uma pesquisa pessoal que fiz – fui a diversas lojas e perguntei a alguns vendedores e consumidores a respeito dos produtos. E o que me disseram é que não está assim tão fácil encontrar Wiis, mas também há diversas lojas online vendendo o console em promoções. Mas por outro lado, você acha que poderia haver mais produtos Nintendo nas lojas? Ou mais material de merchandising, displays, essas coisas?
MW:
Certamente, há espaço para melhorarmos nossa distribuição localmente. Mas, dados o tamanho do país e a complexidade em se colocar os produtos lá dentro, a distribuição se torna é um dos grandes desafios no Brasil. Mas você vai acabar percebendo mais e mais o que estamos fazendo e verá que há sim, produtos disponíveis. É interessante você ter dito isso, porque estou interessado em obter mais informações específicas. Afinal, eu sei que há produtos disponíveis no Brasil.

E o que a Nintendo tem feito especificamente para melhorar sua participação no mercado brasileiro? Por exemplo, vocês checam relatórios mensais com números, essas coisas?
MW:
Como você bem sabe, nós trabalhamos com a Latamel e eles são os responsáveis pela região. Temos uma equipe exclusivamente dedicada ao mercado brasileiro, então certamente nos encontramos com eles e definimos as estratégias. Temos campanhas de marketing, você verá anúncios nas emissoras de TV a cabo, campanhas online, revistas… há bastante suporte nesse sentido. Então nos investimos muito em marketing para lançar os produtos no Brasil, e não faria sentido não ter produtos para vender. Essa parte é extremamente importante e com certeza estamos fazendo, investindo em distribuição, constantemente buscando maneiras de melhorar nesse sentido.

No que diz respeito ao mercado brasileiro, temos uma situação  interessante: os dois principais concorrentes atualmente realizam ações bastante especificas. Temos a Sony lançando o PS2 e talvez o PS3 [a entrevista foi realizada em junho, antes do lançamento do PS3 no Brasil]. Temos a Microsoft lançando games mensalmente e preparando a rede Xbox Live. Aos olhos do consumidor, talvez seja um pouco desapontador que a Nintendo não esteja “pessoalmente” mostrando seu poder em território nacional, uma vez que não há um escritório, como havia antes. O que você tem a dizer para o consumidor brasileiro, que vê a competição se mexendo e presencia a Nintendo “na mesma”?
MW:
Para começar, eu compreendo o que você quer dizer e agradeço por seus comentários. Entendo que os fãs gostariam que a marca estivesse o mais próximo o possível deles. E uma maneira de fazer isso é, conforme você mencionou, ter uma presença direta. Tudo é uma questão de como melhor servir o consumidor brasileiro. Seja ter atendimento especializado, entregar os produtos nas lojas, se comprometer com essas coisas. Então, seja lá qual for a maneira que essa presença ocorrer, com presença direta, ou através de um distribuidor, ou de qualquer outra maneira, o objetivo é sempre o mesmo: nós oferecermos um bom serviço, levarmos os produtos e mostrarmos o “amor”, por assim dizer, ao consumidor brasileiro. É isso que, no fim das contas , eles desejam. Essa é a mensagem que quero passar.  E também digo que estamos procurando por outras alternativas, porque, sabe, é uma situação que está em constante mudança. O Brasil não irá diminuir, não irá se tornar de repente um mercado menor – o país veio para ficar e não para de crescer.

Como a Nintendo enxerga o Brasil nesse momento? Temos eleições presidenciais, o país continua a se destacar como uma força econômica mundial…
MW:
Honestamente, do ponto de vista do business, da economia, eu estou muito impressionado. Porque havia muita incerteza, muita infidelidade no mercado nesse momento, mas no Brasil, as coisas estão correndo incrivelmente bem. Se você olhar do ponto de vista econômico, o país não está apenas gerenciando bem, mas tem ótimas perspectivas para o futuro, no que diz respeito à força de trabalho e os recursos disponíveis. E o potencial que existe nessa força de trabalho, o nível de educação, é realmente impressionante. É por isso que este mercado é muito importante e estamos olhando com muita atenção para o Brasil. É um foco não apenas para a Nintendo, mas para diversas outras indústrias, por conta de seu potencial e seu papel no mundo atualmente.

Há uns anos surgiu a expressão “BRIC”, para designar os países com maior potencial para crescer – Brasil, Rússia, Índia e China. Você acha que essa designação já estaria defasada? Esses países se encontram no mesmo nível atualmente?
MW:
Eu não sou um economista e não estou muito por dentro do R, do I e do C, mas conheço um pouco do B. E o B é um “B” maiúsculo. Vamos definir assim. [risos]

Sei que a Nintendo não fala sobre números, mas você poderia tentar mensurar o tamanho do mercado ocupado pelo Wii e pelo Nintendo DS no Brasil? Quantas pessoas estão jogando seus consoles agora no país?
MW:
É uma ótima pergunta. Honestamente, eu não tenho muita ideia. Um dos desafios que enfrentamos também é a importação paralela. A Nintendo foi uma player dessa indústria e tentou por muito tempo lutar contra a pirataria e a importação paralela e ilegal. Certamente, entender a quantidade de produtos que entra por essas vias é algo impossível. O que eu posso dizer é que o potencial do Brasil é enorme. Neste momento, o México é o nosso maior mercado. Mas, em termos de potencial geral, o Brasil certamente representa o maior potencial que nós temos nesse momento. Mas em termos de quantidade de consoles, nós não temos essa informação.

E em termos de potencial, quão grande é o nosso mercado?
MW:
No meu entendimento, tenho sempre uma conta na cabeça: há hoje por volta de 100 milhões de brasileiros com 18 anos de idade ou menos. Nós sabemos que a juventude é mundialmente focada em tecnologia, especialmente em videogames.  Nós procuramos maneiras de integrar os videogames mais e mais nas vidas dessas pessoas, uma vez que eles já utilizam a tecnologia para se divertir, se informar, se comunicar entre si, ou, simplesmente, fazer isso uma parte integrante da vida. Com 100 milhões de pessoas abaixo de 18 anos, isso nos representa um mercado gigantesco.

Há diferenças entre o consumidor brasileiro e o de outros mercados grandes? O que faz o consumidor brasileiro ser diferente do norte-americano, por exemplo?
MW:
Eu diria a juventude. Eu provavelmente não tenho acesso a todos os dados, mas um que com certeza chama a atenção é a juventude. Mas se você olhar para os demográficos, verá que o fato de o Brasil ser um país jovem é algo muito relevante. Eu não tenho os números aqui de cabeça, mas, por exemplo: se você comparar com outros países da América Latina, verá que a penetração da internet é muito alta. A utilização de computadores domésticos é muito forte e a penetração de computadores com internet também é muito alta. Então, nesse sentido, eu estou bastante empolgado com esse potencial.  Comparado aos outros mercados da América Latina, isso é algo que nos causa grande interesse.

Falando sobre o lançamento de outros produtos Nintendo, como o Nintendo 3DS, quais são os planos para o Brasil?
MW:
Lançaremos o 3DS nos mesmos meses que nos outros países da região. Estamos nos comprometendo a lançar na América Latina – incluindo no Brasil – no mesmo momento em que pretendemos lançar nos Estados Unidos.  Ou seja, a data que definirmos para o lançamento aqui [Estados Unidos] será a mesma que honraremos na América Latina, então você pode esperar ver o produto no Brasil ao mesmo tempo em que o tivermos aqui nos Estados Unidos. E é interessante dizer, especificamente sobre o console: o investimento e o compromisso das empresas desenvolvedoras de jogos têm sido muito alto. Temos literalmente dúzias de empresas conosco, e os games que iremos lançar – FIFA, Pro Evolution Soccer, Resident Evil, The Sims, DJ Hero, Kingdom Hearts… É simplesmente um conjunto incrível de franquias que subiram à bordo e darão suporte ao novo Nintendo 3DS. Estamos muito empolgados com isso. E antes do lançamento, teremos também um período excelente no fim do ano, com Zelda, Donkey Kong, Mario, Metroid, GoldenEye, Golden Sun, Nintendogs, Paper Mario… Uma variedade incrível de títulos, e estamos muito felizes de poder oferecer isso aos consumidores e fãs.

Quando você olha para suas duas concorrentes, você acha que a Nintendo ainda está seguindo um caminho independente em se tratando de tendências e tecnologia? Em 2006, vocês lançaram o Wii, e agora Microsoft e Sony estão tentando basicamente fazer a mesma coisa, mas com tecnologia mais avançada. A Nintendo sempre esteve em seu próprio caminho, mas o que ocorre agora? Eles estão tentando fazer a mesma coisa que a Nintendo, ou seria algo diferente? Ainda há outro caminho a ser seguido ou vocês estão competindo pelo mesmo mercado e consumidores?
MW:
Nós, definitivamente, queremos estar em nosso próprio caminho, para usar a sua analogia. Acho que uma grande prova disso é o lançamento do Nintendo 3DS. Porque pela primeira vez estamos oferecendo um console em que você não precisa de óculos para experimentar o 3D. Você não precisa de um aparelho de televisão caro, e você ainda pode carregar essa experiência com você para todo lugar. Então, nós fundamentalmente acreditamos que este é um divisor de águas.
E em se tratando do Wii, sentimos que este também é um exemplo de como estamos mudando os rumos da conversa, levando a indústria para um caminho totalmente diferente e nunca visto antes. Você mencionou que há diversos controles com sensores de movimentos, que há diversas empresas agora envolvidas com esse tipo de tecnologia: bem, falando sobre o que viemos falar aqui [aponta para o 3DS]: esta é uma nova era pra nós,  e estamos levando tudo para o próximo nível. E as empresas reconhecem isso e estão do nosso lado. Enquanto estivermos pensando no próximo passo, enquanto não estivermos necessariamente preocupados com quantos pixels o game vai ter, ou especificações técnicas, mas, ao invés disso, como podemos criar uma experiência mais interessante. Ou, em como podemos criar a próxima experiência incrível para o consumidor. Aí sim, estaremos bem. É exatamente isso que estamos tentando fazer com o anúncio de hoje sobre o Nintendo 3DS.

Vocês não mencionaram data de lançamento ou o preço do 3DS…
MW:
Não temos essa informação ainda, nem data ou preços, pelo menos por enquanto. O que posso dizer é que estamos comprometidos a lançá-lo pelo menos em uma região, antes do final do ano fiscal, o que significa até março de 2011. Mas só o que podemos falar é que o lançamento será em 2011.

Você acha que o preço dos produtos Nintendo são compatíveis com a atual situação do brasileiro médio? Quer dizer, continua sendo caro comprar um novo videogame no país. Quando Nintendo possuía uma presença “física” no Brasil, me lembro de que os produtos da empresa sempre foram os mais caros do que os outros, muito porque a empresa estava lá oficialmente, fazendo todos os processos legais. Agora, Microsoft e Sony estão vendendo seus produtos oficialmente por lá, e obviamente eles são bastante caros. E o Wii, sob essa perspectiva, se encontra numa outra situação – o bundle do Wii pode ser encontrado por um preço até razoável nas lojas. Como você vê isso?
MW:
Sabe, o preço e todas suas complexidades são um tema completamente diferente. Certamente, os componentes que interferem em um preço são diversos e, mesmo olhando tudo, é difícil dizer qual o preço que um produto terá – como você sabe, há muita flutuação no preço do Wii no Brasil. Parte disso vem do fato de nós mesmos termos baixado o preço do console. Mas temos que lembrar que existe um fator multiplicador no Brasil, por causa de todos os impostos, taxas de importação e esses gastos todos. Respondendo a sua pergunta inicial – o preço. Nós entendemos a situação e queremos oferecer valor, mas é certo que um objetivo nosso é reduzir o preço, para assim oferecermos mais valor por um preço melhor. E esse é um foco que jamais deixaremos de ter. Como eu disse, há partes da cadeia do preço que conseguimos controlar, e em longo prazo a gente consegue fazer algo a respeito disso. Mas há outros componentes que não dá para fazer nada, é simplesmente impossível. A gente não controla as taxas de importação, as regras da Anatel e como eles gerenciam as coisas, então temos que manter foco naquilo que podemos controlar. E esperar pelo melhor e ter fé de que poderemos fazer o melhor possível. É sim, algo que desejamos – diminuir preços e continuar oferecendo produtos de valor. É algo que estamos focados em dar ao consumidor brasileiro.

Você diria que este é o maior desafio que a Nintendo enfrenta hoje no Brasil, ou há outros “inimigos”?
MW:
Bem, há muitas coisas, sabe? Há a instabilidade do mercado. Há a instabilidade nas taxas de câmbio. Mas no fim das contas, é uma questão de focar no que você pode controlar, e não no que você não tem controle nenhum. E nos enlouquece ficar pensando muito nas coisas em que você não pode controlar. Então, a gente não pode controlar as taxas de câmbio. Isso afetaria de alguma forma o preço final do produto? Com certeza. Mas nós não podemos controlar isso. O ideal, portanto, é colocar seu maior esforço em coisas efetivas. Nós poderíamos mexer em como fazemos negócios, ou na distribuição, ou projetar qual seria o efeito imediato se baixássemos os preços, por exemplo. São nessas coisas em que nos mantemos focados.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Entrevista da Semana, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , , , , ,
29/06/2010 - 17:35

Dias de Festa…

Compartilhe: Twitter

…E não, não é por causa da classificação do Brasil para as quartas-de-final.

(Desculpe, não sei você se importa ou não com Copa do Mundo.)

Hoje, terça, a Level Up! Games realiza um evento particular em São Paulo. É o Território Level Up! – de acordo com o convite que recebi (que imita uma passagem de avião), será “um mundo divertido e repleto de aventuras inesquecíveis”. Parece até chamada da Sessão da Tarde, mas será mais do que isso: é uma festa para celebrar a existência da Level Up!, atualmente a mais bem sucedida publisher de games online no País.

“O Level Up! Live é um marco na história da Level Up! no Brasil. Nas Filipinas, onde o conceito já está consolidado, ele é o grande evento do ano e o mercado espera ansiosamente por sua realização”, disse o Julio Vieitez, Diretor Geral da Level Up! Brasil, através do release divulgado na semana passada.

O auge da noite será um debate ao estilo mesa-redonda, com a presença de figuras-chave desse mercado (inclusive o Ben Colayco, o fundador da Level Up!), mas também vai rolar música, stand-up comedy e a revelação de um novo lançamento no mercado nacional.

Segundo a organização, esta é a maneira de visitar o evento (se é que você não tem o convite ainda):

Basta dirigirem-se a uma das cinco lan houses indicadas no site oficial do evento (www.leveluplive.com.br), adquirir R$ 19,90 em créditos para seu jogo preferido da Level Up! e com apenas mais R$ 2,10 garantir um dos ingressos, que são limitados. Para aqueles que não puderem comparecer, a Level Up! disponibilizará a transmissão ao vivo do evento pela internet.

A bagunça acontece no Shopping Frei Caneca (no Teatro, no sétimo andar, mesmo local onde foi o Troféu Gameworld desse ano), hoje, a partir das 19h. Eu devo estar lá mais tarde do que isso (para variar), mas estarei. Pode procurar!

***

E amanhã, tem outra.

Sabe a Blizzard? Enfim eles vão anunciar suas misteriosas intenções no mercado brasileiro.

Será amanhã, no bairro de Moema, em São Paulo, a partir das 20h. Não sei se estou autorizado a divulgar mais detalhes, porque imagino que o evento seja apenas para convidados. Mas, pelo que sei, todo mundo do mercado de games brasileiro estará lá.

O evento está sendo chamado de “Excursão de Imprensa” (é o que consta no convite) e deve girar em torno do lançamento nacional de Starcraft II: Wings of Liberty. Mas a gente também sabe que não é só isso: eles devem aproveitar para revelar detalhes da empreitada da Blizzard no Brasil. Vai ter escritório por aqui? Quem será o Country Manager? Vão contratar mais gente? Saberemos essas respostas amanhã.

***

E falando de festas futuras… reserve o final de semana de 16 a 18 de julho. Não haverá um, mas pelo menos dois eventos importantes relacionados a games. E um não tem nada a ver com o outro. E pelo que ouvi dizer por baixo dos panos, um deles promete uma novidade bombástica, inédita e muito antecipada. Mas vamos ficar quietinhos, vai que não dá certo? Depois volto a falar sobre isso…

Mas terei que participar de ambos. Como a gente faz para se dividir em dois?

***

E eu vou tentando me organizar pós-E3. Muitas entrevistas para tirar do gravador, muitos textos esboçados e não finalizados, muito material para transformar em posts… Todo ano é a mesma coisa. Fiquei enrolado por causa do fechamento da Rolling Stone de julho – a qual, aliás, trará uma grande matéria sobre a E3 2010 (não sobre os jogos). Se passar por uma banca a partir de 12 de julho, aproveite a comemoração da vitória na Copa do Mundo e leve a RS também.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , ,
21/06/2010 - 15:28

E3 2010: Uma Retrospectiva

Compartilhe: Twitter

Voltei para o Brasil.

Foi uma E3 cansativa. O sono está atrasado e a gripe que já tinha ido embora insistiu em permanecer por aqui. Essa semana, vou tentar retomar os assuntos do ponto em que parei. Aguarde atualizações lentas, mas bastante caprichadas.

Enquanto isso, para quem não leu, aqui estão os links das matérias especiais que fiz para o site da Rolling Stone ao longo da semana passada. Lembrando que a edição de julho também terá uma matéria grande sobre o evento e as novidades tecnológicas lá apresentadas. Confira.

A seguir, os links:

Jogando com as mãos vazias – Sobre o evento da Microsoft que revelou ao mundo o nome verdadeiro do Project Natal e suas funcionalidades “revolucionárias”.

Games continuam pop – Sobre a revelação do game baseado na carreira de Michael Jackson, mais os detalhes sobre a festa da Activision com show do Eminem.

Em movimento, e em três dimensões – Sobre as novas tecnologias que irão ditar as regras na indústria dos games nos próximos anos: sensores de movimentos, eliminação do joystick, três dimensões.

Quase de verdade – Sobre Rock Band 3 e test drive dos novos controles realistas: um teclado com saída MIDI e uma guitarra híbrida, que serve no jogo e também para ser tocada na vida real.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: ,
17/06/2010 - 14:27

E3, último dia: Los Angeles está pegando fogo

Compartilhe: Twitter

Isso aqui está uma loucura hoje.

Nem estou falando da E3, mas de Los Angeles mesmo.

Hoje não apenas é o último dia da E3 2010, como também é o dia da final da NBA, a liga de basquete norte-americana. O Los Angeles Lakers joga contra os eternos rivais, Boston Celtics, às 18h. Ou seja, apenas uma hora após o encerramento das atividades da E3.

Detalhe: o Staples Center, ginásio onde irá rolar o jogo, fica encostado ao Convention Center. Encostado não, grudado. Na mesma calçada. Dá para imaginar como já está a situacão nos arredores? Pois é.

A rivalidade entre Lakers e Celtics é a maior da NBA. Nos anos 80 e começo dos 90, eles praticaram diversas finais seguidas. A presença dos dois times no topo acabou gerando um dos melhores games esportivos de todos os tempos, o Lakers Vs. Celtics da Electronic Arts. Foi aí que o a hegemonia esportiva da EA teve início, e foi aí que a indústria de games se deu conta de que games de esportes com bola poderiam ser um bom negócio.

Eu particularmente joguei muito esse game. Mas sou velho, não se esqueça.

Se os Lakers ganharem, a festa vai tomar conta das ruas de L.A.. Se eles perderem, o pau vai comer solto. Ou isso, ou algo bem parecido. De qualquer forma, a área central de Los Angeles não passará incólume pela final da NBA.

E enquanto a torcida vai chegando ao Staples, toda indústria estará dando adeus a mais uma E3 a uma das mais estranhas de todos os tempos, ou pelo menos desse período que eu venho cobrindo a feira, desde 2000.

Por que estranha? Explico mais tarde. Vou precisar de tempo e conforto para discorrer sobre o tema. E daqui meia hora tenho uma session de Kinect marcada ali no estande da Microsoft. Não vou querer perder essa, porque já perdi um compromisso hoje (sem comentários), tudo por causa da loucura que já está o tráfico da cidade por causa do jogo de basquete. Ruas fechadas, carros de polícia, equipes de TV, gente procurando ingressos… E tem quem reclame de dias de jogo no Pacaembu.

Estou devendo aqui minhas palavras sobre as conferências da Nintendo e da Sony; o review da experiência com o Nintendo 3DS; a transcrição da entrevista com Mark Wentley, o homem da Nintendo of America para o Brasil; minhas opiniões sobre o Kinect e o PlayStation Move; meu review do funcionamento do modo Pro de Rock Band 3, com a guitarra de verdade; e, posteriormente, o melhor e o pior da feira como um todo.

Vou tentar postar ao longo dos dias, se o tempo deixar, se o Lakers não me fizer perder mais compromissos…

Ah, e mencionei que hoje na hora do almoço tem jogo do México contra a França? E você sabe o tamanho da comunidade mexicana na Califórnia, certo? Então imagine comigo como estará o clima geral hoje de Los Angeles. Que os anjos continuem olhando para a cidade…

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags:
15/06/2010 - 07:35

A Ubisoft quer fazer você sentir

Compartilhe: Twitter

Já a Ubisoft deixou claro que quer revolucionar sempre.

Se há espaço para exploração de algum novo segmento, pode ter certeza que será a publisher francesa a primeira a mostrar uma novidade. Na coletiva de imprensa que rolou nessa seguna, logo após a da EA, a Ubi gastou seu tempo para mostrar serviço – seja explorando franquias, seja fugindo do formato tradicional que se espera de uma empresa de jogos de videogame.

Começaram bem, com o produtor popstar Tetsuya Mizuguchi apresentando sua mais nova maluquice – Child of Eden, um jogo de tiro cheio de frufrus que utiliza o Kinect do Xbox 360. Mizuguchi, um japonês com gosto exótico para roupas e chegado a sons e cores impactantes (Rez, Meteos e Lumines, suas criações mais famosas, que o digam), sempre consegue admiradores por onde passa. Fazendo ele mesmo a demonstração de seu game – imagine Geometry Wars jogado com as mãos vazias, ainda mais psicodélico, ligado em 220 V e embriagado de energético -, o cara ganhou aplausos merecidos. E ainda reforçou a fama de gente fina ao final do evento, quando saiu cumprimentando todo mundo que chegava perto.

“Vocês são do Brasil? Nunca fui para lá. Eu gostaria”, ele me disse. Pode vir, Mizuguchi. Se for durante o Carnaval, garanto que não lhe faltará oportunidade para ganhar mais inspiração.

***

Daí os fanboys berraram felizes com Assassin’s Creed: Brotherhood, que está lindo, vistoso, tem multiplayer e promete muito. E teve Ghost Recon: Future Soldier, que é só para quem gosta (mas mesmo assim, é interessante). E mais um game estrelado pelo Shaun White, o “flying tomato”, campeão de snowboarding que também se mete a esmerilhar no skate. O rapaz é carismático e promoveu a demonstração de Shaun White Skateboarding, game que pega o que a série Tony Hawk cansou de fazer na geração anterior de consoles e adiciona um toque de fantasia. E não poderia faltar a coelhada demente de Raving Rabids no bizarro Travel in Time para o Wii. Foi a hora em que eu dei risada de verdade.

Houve tempo para ressuscitar jogos que ninguém mais se lembrava que existiam: Driver voltou, agora em San Francisco e com o mesmo herói de antes (o galã Tanner), mas com uma jogabilidade irreal que fiquei na dúvida se vai colar. O desmembrado Rayman voltou à vida em Rayman Origins, que deve ganhar prêmios como o jogo com direção de arte mais caprichada da E3 2010.

A Ubisoft também se preparou para o Kinect: é dela o game mais impressionante dessa nova safra, o Your Shape: Fitness Evolved, uma espécie de Wii Fit hiper-realista para quem quer ficar em forma sem abrir mão de jogar seus joguinhos. Já a série esportiva Motionsports não parece lá essas coisas – insisto que parece muito esquisito essa história de jogar bola chutando o ar.

Mas foi fugindo dos videogames que a Ubi mais nos deixou com as orelhas em pé: a bizarrice ficou por conta do Battletag, um game… que não é game. Está mais para brinquedo, mas tudo bem. Sabe aqueles jogos de tiro de shopping center, os Lasertags? É isso mesmo – arminhas de brinquedo com sensores para brincar de atirar no companheiro. O videogame em si serve como o “gamemaster” da experiência: o jogo determina objetivos, dá as regras e conta os pontos, enquanto os jogadores saem pela sala distribuindo tiros invisíveis – tudo bem longe da tela da TV. 

O outro “não jogo” é o Inner World: consiste em um sensor que é “plugado” ao dedo da mão do jogador sedentário. Após a medição do status físico do usuário, o game propõe exercícios respiratórios relaxantes que visam repor energias gastas e melhorar a qualidade de vida. Não entendi se é um game, um acessório ou um brinquedo sério, mas a frase do produtor deixou a pista: “não é um game para se divertir, mas para fazer você se sentir bem”. A iniciativa faz parte da nova filosofia da empresa, baseada no mantra “games you can feel” (jogos para sentir), que procura explorar outras partes do corpo (e da mente) na busca pela interação virtual. A Ubisoft é mesmo cheia de ideias mirabolantes. Esses franceses…

O melhor, é claro, ficou para o final. Dançarinos adentraram o recinto e a batida inconfundível não deixou dúvidas: Michael Jackson voltou aos games. Nada foi revelado ali sobre do que se trata o jogo, mas não importa. O Rei do Pop, que deixou este planeta há quase um ano, deve estar fazendo moonwalks de satisfação com a ideia de voltar a ser um herói virtual. É mais um jogo de dança, e o mais óbvio de todos, mas deixou uma sensação boa no ar. É como se um game desses já existisse há tempos nos corações dos fãs. E a Ubi reforçou sua habilidade de capturar ícones mundiais e eternizar no universo virtual – tal qual fez com o Pelé em Academy of Champions.

Pode escrever o que estou falando (e vice-versa): a Ubisoft ainda vai durar muito. Onde houver espaço para revolução, eles estarão lá, fazendo primeiro. Talvez nem sempre acertando, mas constantemente tentando.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , , , , , , , , , ,
15/06/2010 - 07:29

A Activision quer ser a melhor do mundo (gastando muito dinheiro para isso)

Compartilhe: Twitter

A Activision há tempos se diferencia das outras produtoras de grande porte.

É moderna, ousada, explora relativamente bem suas franquias mais fortes. E gasta dinheiro como nenhuma outra empresa atualmente tem coragem de fazer.

Não que eles não possam fazer isso. A produtora americana cansou de ganhar dinheiro com seus Guitar Heros ao longo dos anos. E gosta de gastar seus lucros de maneira esperta – com marketing inteligente, e se associando a grandes figuras pop para ganhar crédito na praça. Ah sim, e fazendo uns games legais de vez em quando.

Uma mostra dessa diferença foi a maneira com que a empresa divulgou suas novidades nesse último dia antes do início da E3. As concorrentes fizeram coletivas de imprensa caretas em teatros embolorados do centro de Los Angeles. A Activision exagerou e foi na contramão: alugou o ginásio Staples Center (a casa do Los Angeles Lakers), montou um palco suntuoso, caprichou na iluminação e nos fogos de artifício, liberou a cerveja e convidou todo mundo que podia. Havia milhares de pessoas ali, entre vips, celebridades locais, jornalistas e amigos dos amigos. E para entreter esse povo todo, contratou mais artistas do que se pode contar nos dedos das duas mãos.

Claro, a intenção era fazer barulho sobre os novos games. E o povo até aplaudia as aparições dos novos produtos, e batia palmas e gritava quando os artistas afirmavam “a Activision faz os melhores games do mundo, não é, pessoal?!”. Mas estava todo mundo ali para beber de graça e conferir alguns shows exclusivíssimos que só a loucura surreal da E3 é capaz de proporcionar.

Nenhuma outra produtora teria culhões de investir tanto em uma única festança. A Activision, ao que parece, não está preocupada em parecer exagerada. Cada novo game exibido era brindado com um show de um artista diferente. Para celebrar DJ Hero 2, colocou logo DJs de alto nível para fazer barulho – deadmau5, Z-Trip e David Guetta fizeram a moçadinha jogar as mãos para cima. Na hora do trailer de Guitar Hero: Warriors of Rock, rolou uma versão orquestrada de “Black Hole Sun” do Soundgarden com o próprio Chris Cornell gastando o gogó, mais um show corretíssimo do Jane’s Addiction e uma performance emocionante de “Bohemian Rhapsody” (do Queen) cantada pelo Maynard James Keenan, vocalista do Tool, e com Billy Jowerdel do A Perfect Circle na guitarra. Coisa fina.

E não foi só isso: teve show bonito do Usher (“A Activision sabe fazer as coisas grandes, não é?”, ele provocou). Teve barulheira do N.E.R.D. para embalar o vídeo bacana de True Crime: Hong Kong. Teve até o Tony Hawk e amigos fazendo performances para divulgar o interessante Tony Hawk Shred (em cel-shading, que legal). Hawk se desculpou, dizendo que estava prevista uma session de skate para o evento, que acabou adiada por problemas na rampa que seria montada ali. Nem precisava. Aí sim, seria too much.

E o gran finale foi com o grande game da Activision na E3: Call of Duty: Black Ops. E o convidado da noite é um velho conhecido dos eventos da empresa (ele também se apresentou na festa do ano passado, ao lado de Jay-Z): Eminem, o MC branco mais celebrado deste lado do hemisfério. Com Travis Barker (do Blink-182) espacando a bateria de maneira apaixonada, o rapper fez um show absurdo, no bom sentido. Teve até participação especialíssima da bela Rihanna (umbrella-ella-ê-ê), de pernas de fora e cheia de sorrisos. Na música que encerrou o show, a vencedora de Oscar “Lose Yourself”. E quando ninguém esperava (eu já quase cochilava na poltrona), fogos de artifício foram disparados por todo o Staples Center. Não qualquer rojãozinho: eram simulações sonoras de bombas, mísseis e metralhadoras, que deixaram um cheiro de pólvora no ar e a sensação de que esse louco mundo dos videogames se torna a cada ano mais e mais poderoso e necessário.

E claro, muito disso é por causa da Activision. Esses caras sabem seriamente brincar.

***

Tenho vídeos, mas postarei ao longo da semana. Agora, só preciso dormir algumas horas. Daqui a pouco tem Nintendo, Sony… e Brasil na Copa do Mundo. Façam suas apostas.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,
15/06/2010 - 05:52

A Microsoft quer ser a Nintendo?

Compartilhe: Twitter

Hoje foi um dia que não acabou.

De manhã, a Microsoft provou que quer o espaço ocupado pela Nintendo.

Os jogos exibidos para o Kinect (leia-se “cãnéquiti”) mostraram a tendência da empresa ir atrás do jogador casual a qualquer custo. Claro, não faltaram os games para o público hardcore (Call of Duty: Black Ops, Metal Gear Rising, Gears of War 3, Fable III, Codename Gladiators, Halo Reach, só para citar alguns), mas o grande destaque do material apresentado pela Microsoft foi destinado ao novo acessório que elimina o joystick e traz a interação física para o primeiro plano. Só faltou divulgar o preço que o Kinect irá carregar quando for lançado, em novembro.

E deve chegar ao Brasil, porque a Microsoft aproveitou a ocasião para revelar que a rede Xbox Live finalmente irá ser instalada em nosso País (leia o post anterior). Será no final do ano, ainda sem preço definido. Amanhã deveremos saber mais detalhes. É esperar para ver o impacto que a (aguardada) ação terá em nosso mercado.

E apesar do que foi dito no final da coletiva, nós não ganhamos de presente o novo modelo do Xbox 360 – menorzinho, com 250 GB de espaço na memória e Wi-Fi embutido. Pelo menos ninguém me entregou o pacote na saída. Quem sabe quando chegarmos ao Brasil?

Autor: - Categoria(s): Clique Comigo, Cobertura E3 2010 Tags: , , , , ,
14/06/2010 - 06:55

O Project Natal virou… o KINECT do Xbox 360

Compartilhe: Twitter

E é isso e você já deve estar sabendo:

KINECT é o nome oficial do Project Natal. Apesar de que o nome não foi falado em nenhum momento no evento da Microsoft que rolou na noite de hoje, no Galen Center, em Los Angeles.

O nome do novo acessório/aparelho/tecnologia para o Xbox 360 apareceu escrito em letras garrafais nos painéis e telões, mas o narrador ainda assim insistiu no final que nós acabávamos de presenciar a “experiência do Project Natal”.

Pois então, a Microsoft gastou quilos de dinheiro e de ideias de marketing para alardear sua mais nova invenção. E aqueles que tiveram o priviégio de acompanhar a experiência ao vivo também serviram de cobaias vivas para o sucesso da apresentação.

Mas será que dá para falar que foi um sucesso? Porque as opiniões ao final do evento eram diversas, mas não ouvi nada de muito positivo. Não exatamente criticando o aparelho, e sim a maneira maluca que a Microsoft inventou para divulgá-lo.

Eu vi gente dormindo – sem figura de linguagem, roncando mesmo – durante a apresentação. E mais uma meia dúzia de pessoas sentadas no chão, exaustas, torcendo para tudo acabar logo. Porque a Microsoft fez mais da metade de seus convidados – 90% dos jornalistas brasileiros presentes inclusive – permanecer em pé durante todo o evento de quase três horas de duração. Pode isso, Arnaldo?

Foi assim – e foi inacreditável, por isso que faço questão de descrever tudo.

***

A fila diante do Galen Center atravessava o quarteirão (dê uma olhada nessa foto publicada pelo site GamesRadar e veja se encontra alguém conhecido nela). Não percebi, mas os convidados que se posicionavam para entrar no enorme pavilhão (o mesmo local da coletiva da Microsoft em 2009) portavam pulseirinhas de cores diferentes. Alguns tinham as verdes; outros, as laranjas. E as pessoas foram divididas por cores logo diante da entrada. Quem possuia a laranja ia para o lado direito (eu saberia depois, para a plateia). Os de pulseira verde iam para a esquerda. Imaginei que fosse só uma questão de dividir o público em setores diferentes, mas era mais do que isso. Não sei qual foi o critério usado, mas o fato é que eu, com meu pedaço de plástico verde enrolado no punho direito, fui conduzido para um balcão onde me foi oferecido… uma túnica branca!

Sim, a Microsoft nos pediu gentilmente que usássemos um traje por cima de nossas roupas. Os gentis profissionais que conduziam todo o processo pediam paciência, e que ao final seríamos recompensados pelo mico. E alertaram que deveríamos devolver a túnica ao final do evento. Colocada pela cabeça e presa com dois botões próximos ao colarinho, ela se assemelhava a uma camiseta de futebol americano, daquelas com ombreiras, soltinha embaixo. Não houve quem não ficasse ridículo usando aquilo. Tudo pelo show, imaginei. Aliás, pensei de tudo na hora: será que o traje estaria equipado com sensores invisíveis que nos fariam “sentir” o Natal funcionando direto em nossas peles? Não era bem isso, vim saber depois. Infelizmente, não nos foi permitido fotografar ou filmar aquele momento bizarro. Mas já deve ter foto rolando por aí, procure para ver.

Bem, todos lindamente trajados, fomos conduzidos a uns corredores escuros decorados com plantas e luzes negras que unidos aos efeitos sonoros, contribuiam para criar um clima instigante. Imagine o planeta onírico de Avatar, ou um parque temático que tentava reproduzir a sensação do filme. Não havia quem não ficasse curioso com tudo aquilo. Lá fora, na entrada do Galen Center, já dava para sentir algo vindo nesse sentido: diversos dançarinos do Cirque du Soleil faziam coreografias, rufavam tambores e emitiam sons guturais bem ensaiados. O traje era típico, algo entre o selvagem e o carnavalesco a la Joãosinho Trinta. Seria a experiência do Project Natal um retorno aos nossos insitintos mais primais? Uma forma de se conectar à natureza e aos nossos antepassados? Eram os deuses astronautas? Para onde vamos, de onde viemos? Nenhuma dessas questões cruciais para a humanidade me foi respondida nesse evento.

A surpresa maior eu tive ao atravessar os tais corredores mal-iluminados. Primeiro, passei por um buraco na parede, que depois percebi ser uma alegoria para ideia de “o virtual entra em contato com o real”: o buraco em questão era uma “TV”, e assim que passei por ele, fui saudado por uma família sentada em um sofá – ou, atores fingindo que estavam diante da TV. Mas só fui entender isso depois. Mais um corredor atravessado, e cheguei ao local de onde eu veria a exibição…

…Era o próprio palco do Galen Center. Ou o espaço onde havia um palco (no ano passado, foi onde se apresentaram os Beatles, o Spielberg e o Tony Hawk). Só que não havia palco, e sim um grande espaço aberto onde se amontoavam os convidados vestidos com as túnicas brancas. Tudo estava decorado com os motivos tribais já citados, por onde circulavam também mais dançarinos vestidos de selvagens. Eles interpretavam seus papéis à risca, se arrastando pelo chão, dando cambalhotas, interagindo com ruídos e fazendo acrobacias em meio à massa vestida de branco. Em uma ponta, uma espécie de altar chamava a atenção. Passado o primeiro susto de estar no meio da arena, fui percebendo os detalhes. Havia uma plateia posicionada ao redor de onde estávamos, e todos também vestiam as túnicas brancas. Só que eles estavam confortavelmente sentadinhos (eram os felizardos da pulseira laranja). No alto, um sofá dependurado a dezenas de metros de altura, com mais atores simulando uma outra família. Telões widescreen exibiam avatares da Xbox Live interagindo em um cenário de selva. No topo, um telão acima de nossas cabeças apresentava efeitos psicodélicos. Aqui embaixo, os selvagens faziam micagens e convidavam alguns para fotos que eram exibidas depois no telão. Em meio a todo mundo, seguranças impediam que qualquer um registrasse o momento com celulares. Foi ali que encontrei os brasileiros – éramos quase 20 ali, anônimos, perdidos entre jornalistas de todo o planeta e muitos outros curiosos (havia até crianças por lá, uma novidade em se tratando de E3).

A situação desconfortável era um convite para as piadas. Só se ouvia as nossas risadas. Os gringos deviam estar achando tudo muito exótico, mas para nós, brasileiros nascidos na selva e acostumados a pular em cipós, toda aquela alegoria estava mais para desfile de carnaval do grupo de acesso do que para evento de altíssima tecnologia. E demorou tanto para enfim começar, que as piadas e trocadilhos foram insuficientes para definir aquele momento único. Estávamos fazendo história, provavelmente. Mas também pagando o maior mico em rede mundial.

E daí começou. Foi tanta coisa que não me lembro mais a ordem, me perdoe. Só sei que os selvagens enlouqueceram e começaram a correr e formaram um totem humano. A criança ruiva que estava no sofá flutuante desceu e foi carregada para o altar. Um elefante (!) mecânico em tamanho real adentrou a arena, montado por uma outra criança de cabelo moicano. Ela foi conduzida até o topo do tal altar, que acabou se revelando uma enorme bola – o logotipo do Xbox. Música alta, firulas, trucagens de Hollywood. Os telões começaram a exibir cenas, e foi aí que a tal palavra KINECT apareceu diante de nossos olhos (mas antes, eu juro que as letras formaram “NEIKCT” – essa, só os brasileiros perceberam. E para bom entendedor, uma sigla idiota basta). E aí, começou a exibição propriamente dita.

Não jogamos o KINECT, só vimos. Ou melhor, vimos uma simulação comandada por atores muito bem ensaiados. O tal menino de moicano logo ganhou uma família empolgada que o acompanhou em sua jornada de entretenimento lá no alto, para todo mundo ver. Diante de uma TV, eles começaram a “jogar” um game atrás do outro. E tome trucagens de Hollywood (Los Angeles é assim mesmo): o cenário onde estavam virou de ponta-cabeça diversas vezes, mas não escutei nenhum “ohhh”, nem um único “ahhh”. Parece que ninguém ficou muito impressionado. Jornalista é um povo muito chato mesmo. Mas, sendo bem sincero, toda aquela exibição cheirava muito mais a uma grande peça de marketing do que uma demonstração realista de um novo produto de tecnologia. 

Vimos eles “jogarem” um game de corrida em um bote dependurado por um helicóptero; uma corrida de carrinhos; um game esportivo com diversas modalidades, de atletismo a futebol, passando por boliche (já viu isso antes?); um game de Star Wars, com direito a luta de sabre de luz e stormtroopers a dar com pau; um game de interação com animais selvagens; um jogo de ioga, ou tai chi chuan, que me lembrou o Flower do PS3; um simulador de dança; e mais alguns que agora não me lembro (era muita informação para se assimilar em pé e olhando para cima). Os atores interpretavam direitinho o script: mexiam os braços e pernas diante da TV de maneira empolgada, com direito a caras e bocas absurdas, comandando seus personagens virtuais nas várias missões seguidas que nos pareciam infinitas. Nada de joystick, nada de bastão: todos os games são jogados só com mímicas e movimentos corporais. Me parece estranho fingir que se joga futebol chutando o vazio. Mais bizarro ainda é manejar uma espada sem segurar nada nas mãos (depois do air guitar, começou a era do air Light Saber, o air football e por aí vai). E não foi porque sabíamos que os atores fingiam estar jogando, mesmo porque, repito, tudo era muito bem ensaiado. A questão é que muitos dos games mostrados não pareciam assim tão revolucionários. Não foram poucos os que desdenharam, dizendo que muita coisa ali já foi vista no Wii da Nintendo. A diferença é que dessa vez não havia um wiimote em mãos para comandar as ações. O que deu para sentir foi a guinada total da Microsoft para o tão alardeado jogo em família. Aqueles não eram produtos para o gamer hardcore, mesmo aquele de Star Wars: pareciam games para brincar, não para jogar. Jogos para reunir o pai, a mãe, o moleque e a irmãzinha em uma atividade familiar saudável. Tanto que, após cada tarefa cumprida, a família se abraçava e comemorava junta as missões cumpridas.

Faltou mencionar um aspecto bacana do KINECT: o chat online em vídeo, com cada participante interagindo com o outro de sua própria casa. Para mim, ficou claro que se abriu a porta do último limite ainda não superado pelos videogames: o sexo. É um tabu que talvez comece a ser vencido com as novas tecnologias (principalmente nesses tempos loucos de Chat Roulette). Mas quero ver se alguma empresa terá culhões de desenvolver um game cujo objetivo é proporcionar prazer (ou algo parecido) ao seu parceiro de jogo. Talvez a Rockstar Games já esteja pensando nisso. Se não está, talvez devesse.

Ah, sim. É preciso dizer o que nós estávamos fazendo vestindo aquelas roupinhas: em dado momento, holofotes de luz negra foram apontados para o público. E aí, as ombreiras das túnicas brilhavam e cores diferentes. Um efeito visual interessante, que deve ficar bem bonito se assistido pela TV (o evento será transmitido aqui nos EUA pela MTV e pela Nickelodeon na terça-feira – ou seja, fizemos papéis de figurantes para um belo show televisivo). Ali na hora, era mais engraçado do que emocionante. Mas demorou muito, e ficamos cansados. Alguns exaustos, sentaram no chão durante os momentos mais “empolgantes”. E houve o figura que dormiu sentado, com a cabeça baixa, sem se importar com a barulheira. Para esse, o futuro do entretenimento é algo de dar sono. Mas eu nem o culpo muito pela grosseria: era tudo muito legal, mas também era excessivo demais. Pelo menos, rolaram uns brindes no final: bichinhos de pelúcia de animais selvagens com plaquinhas penduradas no pescoço, que trazem códigos de barra que poderão ser escaneados pelo KINECT – assim, será possível destravar o tal bichinho para interagir com ele no game.

Pensando bem, a Microsoft fez a coisa certa ao separar a demonstração da experiência do KINECT em um evento a parte. Não seria possível transmitir o recado com tanta pompa e circunstância durante a tradicional coletiva para imprensa, normalmente ditada por números de mercado, datas de lançamento e participações especiais de figurões. A Microsoft quer uma fatia do público casual que a Nintendo roubou para si com o Wii, e fará isso com um produto que visa aprimorar a experiência consagrada pelo console da concorrente japonesa. Não quer dizer que o jogador hardcore – aquele que foi o responsável por fazer do Xbox 360 um sucesso – foi esquecido. Na coletiva que começará em algumas horas, é óbvio que muitos games tradicionais serão revelados. Mas há um cheirinho de mudança de direção e estratégia se desenrolando nesse exato momento. Dá para sentir daí?

Preço, data de lançamento, nomes dos games, estratégia de marketing… tudo será confirmado pela Microsoft na coletiva que irá rolar hoje, a partir das 10h (14h aí no Brasil). Estaremos lá para entender, anotar, aplaudir e, quem sabe, vaiar. Faz parte.

E você, a partir do que eu descrevi – o que achou?

Eu ainda estou digerindo.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , ,
13/06/2010 - 21:53

Los Angeles, los games, el futbol

Compartilhe: Twitter

Ok, ok, ok.

Estou em Los Angeles, o único lugar do mundo que interessa essa semana…

… claro, isso se você não levar em conta a Copa do Mundo.

Los Angeles não respira games neste domingo ensolarado – muito menos Copa. Mas dá para sentir que o povo aqui até gostaria de estar mais cercado pelo espírito do campeonato de futebol. Assim que cheguei ao aeroporto, o taxista, nascido em Gana, me perguntou se eu estava aqui para a “convenção”. Em seguida, passou a falar apaixonadamente sobre futebol. Ele estava feliz com a vitória de Gana contra a Sérvia, que acontecera horas antes. Nem nos aprofundamos no assunto videogame. O que ele queria era dizer o quanto tinha certeza que o Brasil se encontraria com Gana na final. Muito justo.

Fico pensando se a organização da E3 2010 não poderia ter compreendido a importância da Copa e, assim, planejado melhor a convivência entre os dois eventos. Tenho certeza que o futebol em diversos momentos da semana irá deixar para trás a indústria de games no que diz respeito à paixão com que os visitantes se envolverão com o torneio. Games? Ah, sim. Tem uns joguinhos novos. Mas o que o mundo quer ver é gol, e não um monte de marmanjos fazendo mímicas em frente à TV. Como será que a E3 irá se comportar diante de tal concorrência? Vejamos.

E agora, vou correndo para o Galen Center, no centro de Los Angeles. É hora do evento Project Natal Experience, no qual a Microsoft finalmente irá desvendar os segredos de seu grande lançamento, aquele que promete revolucionar os games como os conhecemos. Um show do Cirque du Soleil está previsto na programação. Será que vamos poder jogar o negócio? Espero que sim. É para isso que estou indo para lá. Sem câmeras, sem filmadoras, conforme o pedido da Microsoft.

Mais tarde eu volto para contar a experiência. Me acompanhe.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , ,
07/06/2010 - 17:02

A última semana… antes do que realmente interessa

Compartilhe: Twitter

Vamos, que a semana promete.

É a última antes do início da Copa do Mundo. E a última antes do início da E3 2010. Qual desses eventos é mais importante pra você?

A resposta mais convincente ganhará um brinde da E3 (alguma lembrancinha que vou arrumar por lá). É sério! Pode escrever ali embaixo. Prometo que dessa vez não vou me esquecer de enviar o prêmio ao vencedor. Aliás, você ganhou algum prêmio aqui e não recebeu? Me mande um e-mail.

Mas falemos sobre o que interessa – novidades.

***

Green Day: Rock Band já existe – uma cópia quentinha está na minha mesa, enviada via FedEx.  Vou encarar e depois conto o que achei. Lembrando que o lançamento oficial lá nos EUA é amanhã.


Billie Joe, Mike Dirnt e Tré Cool – versões Rock Band

E enquanto escrevo isso, recebo a confirmação do horário de meu encontro pessoal com Rock Band 3, o game que “irá mais uma vez mudar a maneira com que as pessoas enxergam os games musicais” (é a Harmonix quem está falando, não sou eu).

Pessoalmente, tenho minhas dúvidas sobre uma nova revolução nesse gênero, mas sejamos otimistas – pra variar, eu sou sempre o último dos otimistas.

***

E amanhã é dia de visita internacional: um executivo mexicano que responde pela THQ estará em São Paulo, para falar de negócios, bater papo e mostrar novidades da produtora para 2010.

E é a chance que a gente tem de encontrar os colegas de profissão… apesar de que a E3 está aí, e com ela, a promessa de muita interação etílica e festeira entre as partes envolvidas. Sempre no bom sentido, é claro. A imprensa brasileira de games é toda de família.

***

Imagino que você só deva estar preocupado com a Copa do Mundo nesse momento, mas anote na agenda: logo após o torneio (na verdade, a partir do final de semana da final da Copa), irá rolar um grande evento de games em São Paulo. Debates, palestras, estandes e tudo aquilo que você imagina estão no cardápio. Minha presença também foi confirmada. Mais detalhes, em breve.

***

A Microsoft mandou todos os e-mails de confirmação que tinha direito nesse feriado.

Ao que parece, está todo mundo convidado e confirmado para os eventos da fabricante durante a semana da E3. E veja só que moderno, o convite-confirmação tem até um código de barras, pessoal e intransferível. Isso para garantir que ninguém que não tenha sido chamado terá acesso. E claro, não faltaram os avisos – proibido levar câmeras ao evento do Project Natal, tentar chegar cedo para garantir lugar, pegar a credencial antes para não pegar fila… Esquema de guerra total. Será que bater palmas pode? Mas se não fosse desse jeito, não seria a Microsoft.

Enquanto isso, nenhum detalhe mais específico sobre o evento da Sonyprincipalmente a parte sobre o jogo do Brasil contra a Coréia do Norte acontecer no mesmo horário…

Já a Nintendo está preparando sua programação para durante a E3. O evento pré, que rola na manhã da próxima terça, 15, não será no tradicionalíssimo Kodak Theater (onde costuma rolar a cerimônia do Oscar): será no moderninho Nokia Theater, localizado ao lado do Convention Center.

Estou especialmente curioso para saber sobre a atração musical convidada pela Nintendo esse ano – são sempre surpreendentes (em todos os sentidos). Já rolou Black Eyed Peas quando não eram desse tamanho todo. Rolou Smashmouth quando ninguém mais se importava. Rolou Sheryl Crow quando já era mais ou menos. Esse ano, chuto algo no gênero Justin Bieber/Jonas Brothers/Miley Cyrus.

Isso sim é brincadeira, ok?

***

Agora, volto a falar sério.

Sabe o que quero ver mesmo na E3? Os novos games para iPad e iPhone.

O futuro está ali, e é bom acreditar nisso. Se bem que já me cansei de entrar em bate-boca por causa da utilidade do iPad…

Estamos aqui. Apareça sempre.

Autor: - Categoria(s): Cobertura E3 2010, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , , , ,
Voltar ao topo