Publicidade

Publicidade
13/09/2011 - 13:25

O que é o Brasil dos Games, Parte 3

Compartilhe: Twitter

E estamos de volta.

Continuando o clima de homenagens e despedidas do Gamer.br, publico agora um artigo da Bruna Torres, jornalista de Brasília e uma das integrantes do coletivo Girls of War, um dos principais blogs femininos de games do Brasil. O tema não poderia ser outro: BRASIL DOS GAMES. Confira, leia, reflita e não deixe de comentar no final.

***

Brasil dos Games

Por Bruna Torres*

Lembro-me a primeira vez que escutei o termo Jornalismo de Games. Era 2006 e eu estava na faculdade de Jornalismo, faltando apenas um ano para a minha formação. Não entendia muito bem como era feito esse tal de Jornalismo de Games, pois ainda era um termo novo no Brasil e poucos conheciam. Após conversar com vários jornalistas da área, inclusive o Pablo Miyazawa, entendi bem como ele era feito, e como chegava ao público que o buscava. Foi aí que decidi que queria trabalhar com isso também.

Comecei a escrever em revistas especializadas no assunto de games, como a antiga EGM Brasil e a Nintendo World. Foi nesse período que criei com a Carla Rodrigues o Girls of War, blog que temos há três anos, escrito por cinco mulheres gamers. Desde essa época, sempre foi muito comum escrever matérias sobre o mercado de games no mundo, mostrando números de quanto cresceu nos EUA, entrevistando desenvolvedores de fora e franquias famosas que todos queriam jogar.

Mas e sobre o Brasil, o que falávamos? Os assuntos eram dos mais variados sobre o Brasil dos Games. Pirataria, problemas do mercado brasileiro de games, falta de incentivo, altos impostos, e por aí vai a quantidade de dificuldades que deixavam o País com um pé lá atrás neste meio, que seguia engatinhando.

Com o passar dos anos este cenário foi se modificando. Hoje encontramos grandes jogos desenvolvidos por empresas brasileiras, assim como diversos jogos chegando em nosso Brasil totalmente legendado para a nossa língua e até diversos eventos sendo realizados por aqui, muitos nacionais, não só os que vem de fora. Temos também diversas empresas com filiais em solo brasileiro, o que nos dá uma visibilidade maior para o mercado de jogos eletrônicos. E além de tudo isso, os preços dos consoles e jogos caíram bastante.

Nesses quatro anos que escrevo sobre games, percebo muita mudança em relação aos jogos eletrônicos no Brasil. E os jogadores brasileiros também percebem o que o Brasil dos Games alcançou, apesar de ser um curto período de tempo. Muitos dos leitores do blog em que escrevo com as outras garotas comentam sempre sobre isso, especialmente quando toco neste ponto. Quando houve uma recente polêmica sobre a dublagem em português de um jogo famoso, diversos leitores se mostraram indignados e criticaram a ação, mostrando que só porque somos o Brasil, não precisamos ter uma legenda mal feita. Deixaram claro que se é pra fazer, tem que ser bem elaborada, como assim é feita nas versões originais dos jogos. Isso mostra que o jogador brasileiro se preocupa com o mercado aqui e quer vê-lo crescer como uma criança saudável e virar um adulto de sucesso profissional.

Algumas pessoas até criticam, deixam o patriotismo de lado nesses momentos, mas sei que no fundo todos têm certa esperança com o crescimento desse chamado Brasil dos Games que o Pablitcho tanto gosta de levantar a bola. Eu também gosto, tanto que eventualmente escrevo algo no Girls of War sobre o mercado de games brasileiro. O Brasil dos Games ainda cresce e tem um caminho muito longo a percorrer até chegar a ser considerado um mercado que tem grande potencial para os jogos eletrônicos.

Ao que tudo indica, a viagem do País está em andamento. Não rápido, mas também não devagar. É aquele tipo de viagem que você faz parando nos lugares, visitando parentes, fazendo compras e conhecendo cada cantinho. Apesar de devagar, no final sempre chegamos em nosso destino final. E o Brasil dos Games um dia chegará.

*Bruna Torres (@BrunaTorres) é co-fundadora e editora do Girls of War.

Autor: - Categoria(s): Brasil dos Games, Clique Comigo, Tudo ao mesmo tempo Tags: , , , , , , ,

Ver todas as notas

2 comentários para “O que é o Brasil dos Games, Parte 3”

  1. Daniel Medeiros disse:

    Com a palavra uma das maiores jornalistas de games do Brasil….BRUNA TORRES!!!
    Graças a ela eu consegui terminar minha monografia na época da facul….esta lá…na pagina de dedicatória…o nome dela eternizada em suas paginas…
    Essa menina tem muito futuro…um abração Bruna

  2. […] para meu amigo Pablo Miyazawa, e vocês também, basta entrar no Gamer.BR e ler o texto “O que é o Brasil dos Games – Parte 3“.Aproveitando a deixa, queria agradecer todo o apoio que o Pablo Miyazawa me deu para me […]

Os comentários do texto estão encerrados.

Voltar ao topo