Publicidade

Publicidade

Arquivo de setembro, 2007

25/09/2007 - 22:30

Meu dia foi pelo Halo

Compartilhe: Twitter

Como foi o seu Halo Day?

O meu foi normal, até demais. Além de trabalhar (fechando a Rolling Stone de aniversário), conferi a movimentação dos sites brasileiros e gringos entre ontem e hoje. Aproveitei para ler – no papel, claro – a matéria de capa da revista Wired (olha que legal – eles colocam inteira no site), além do artigo de três páginas publicado na Rolling Stone norte-americana (também inteirinho para quem quiser ler). Em ambos, a mesma pauta: repórter é convidado para conhecer os “laboratórios secretos da Bungie”, e sai de lá com a história incrível sobre o maior e mais antecipado game de todos os tempos.

Uau. Estamos falando de duas das revistas mais lidas e famosas dos Estados Unidos. Nenhuma delas é exatamente uma revista de games. Ambas conversam diretamente com o cara de 25-35 anos, consumidor voraz de cultura pop, nível superior, etc. Halo 3 saiu do gueto – aliás, desde que foi anunciado, permaneceu ali por pouquíssimos momentos. Quem foi que o tornou “o game mais antecipado de todos os tempos” – a mídia? Ou a Microsoft e uma de suas melhores estratégias de marketing em todos os tempos?

Óbvio que a movimentação dos portais especializados, brasileiros e gringos, girou em torno da chegada do game ao mercado. Na capa do UOL, ontem, a sugestiva chamada: “Pare de roer as unhas! Halo 3 chegou às lojas.” É sério. Mas será que havia mesmo alguém no Brasil mordendo as pontas dos dedos por causa desse game? Conversando com um amigo jornalista (não-especializado), editor do caderno de informática de um dos maiores jornais do Brasil, descubro que o “hype de Halo” já foi assunto no jornal dessa semana. E compara/contextualiza a chegada do game como “o lançamento mais importante da Microsoft desde o Windows 95”. Será? Deve até ser.

Ainda bem que alguém tem senso de humor nessa história – mas se aproveitando do hype, é claro: os gênios do Mega 64 tiraram um sarro do culto em torno do dia 25 de setembro – the Launch Day. Quem entende inglês precisa ver aqui. E quem tem habilidade manual (opa!), pode tentar utilizá-la construindo seu próprio Master Chief caseiro.

E além da cobertura tradicional (“a espera acabou!”) ou das bizarrices, há aqueles sites que já publicaram os seus guias e detonados hiperdetalhados. Tenho uma grande preguiça desse tipo de matéria, mas confesso que irei apelar para um desses caso eu encalhe em alguma fase. Porque é óbvio que, com tanto hype, eu preciso jogar este game. Nem que seja para ligar, chegar na fase 2 e falar pra todo mundo que joguei – que foi o que aconteceu com uma porção de games nos últimos 6 meses. Mas não acho que será o caso desta vez. Pelo menos vou me esforçar para ser diferente.

Cadê o meu Halo 3 que não chega, Microsoft?

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags:
23/09/2007 - 03:01

Quem cria o hype?

Compartilhe: Twitter

Uma semana daquelas. Nem consegui comentar o Video Games Live que rolou no domingo passado. Aliás, hoje, acontece o show do Rio. No que depender do humor de Tommy Tallarico e Jack Wall, o público carioca vai se acabar – assim como o público do Via Funchal, há uma semana.

Aliás, não só o show em si foi ótimo. O ambiente estava perfeito: público feliz, boa organização, aquele clima de festa e oba-oba digno dos grandes eventos. Tinha merchandising à venda, estande de outras empresas (a Claro) e até videogames para experimentar (Guitar Hero 2, obvio). Encontrei montes de amigos que não via há tempos e conheci em pessoa alguns leitores bacanas deste blog. Enfim, poderia ter um desses por mês que eu nem reclamaria.

Já que não falei do show aqui durante a semana e o assunto esfriou, resolvi escrever a resenha somente para a revista Rolling Stone. Mas por falta de espaço, meu texto acabou derrubado – para usar o jargão jornalístico. Para não deixar o texto cair no limbo, resolvi publicá-lo aqui, a partir das linhas abaixo. Que ninguém me acuse de reciclagem ou uso indevido de material privado…

***

Video Games Live
***(três estrelas)
Via Funchal, São Paulo
16 de Setembro de 2007

Game de ouvido

À primeira vista, imagina-se que sejam raros aqueles capazes de encarar três horas e meia da parceria música clássica/trilhas de jogos proposta pelo Video Games Live. Parece um espetáculo para poucos – e não apenas no lado financeiro da questão: os ingressos da versão 2007 custavam caro até para estudantes que compraram meia-entrada. Mas a casa estava cheia (talvez mais do que no show do ano passado), e a tal mistura, vamos combinar, nem soa mais tão inusitada: os jogos eletrônicos andam tão modernos e elaborados que suas trilhas sonoras não ficam atrás em matéria de complexidade e orquestração.
No espetáculo arquitetado e comandado pelo compositor popstar Tommy Tallarico, temas de games de nome pomposo (Final Fantasy, The Legend of Zelda, Myst) ganharam tratamento erudito (com a Orquestra Sinfônica da Petrobras), videoclipes no telão e shows de raio laser, além de interatividade com a platéia (sem tradução simultânea – nem precisava) e distribuição de prêmios no melhor estilo “domingo na TV”. A refeição exigiu paciência para ser digerida por curiosos que citam o Atari como mais recente forma de contato com um videogame, mas foi como um banquete para usuários assumidos da “principal ferramenta de entretenimento do século XXI” – nas palavras dos próprios fãs. No ano que vem, é quase certo, deve ter mais.
PABLO MIYAZAWA

***

E depois, assim que eu fechar aqui, comento sobre a “semana Halo” que acabou de terminar. É claro que furei na festa de lançamento que rolou na sexta passada, mas já me contaram como foi (me disseram que não perdi muito…). E nesta terça, 25, o game chega oficialmente às lojas do Brasil e exterior.

Apesar de que muita gente boa já deu um jeito de descolar sua cópia… e olha que nem estou falando de assessoria de imprensa. E nem estou falando de cópias originais. Sim, as pessoas conseguiram baixar o game mais protegido e antecipado de todos os tempos. Como?

Pois é, Halo 3 ainda rende muito assunto, muita conversa, pano pra manga. Mesmo sem querer, acabamos falando sobre ele. Olha eu aqui como exemplo. E mesmo nas maiores revistas não-especializadas dos Estados Unidos (Wired, Rolling Stone, só para citar duas), o game ganha cobertura massiva – capa, várias páginas – como nunca vi antes acontecer com nenhum outro jogo. Por que será que isso acontece? É isso aí o que chamam de hype?

Alguém deve ser responsável por isso. Mas a gente logo discute esse assunto. Deixa eu dormir.

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags:
15/09/2007 - 16:56

Ao Vivo

Compartilhe: Twitter

Acontece amanhã o primeiro show da turnê Video Games Live 2007 no Brasil. Desta vez, será em São Paulo, no Via Funchal, às 20h.(ainda há ingressos disponíveis, conforme indicado aqui.

Na próxima semana, 23 de setembro, o show rola no Rio de Janeiro; no dia 30, em Brasília. Eu realmente não saberia dizer o quanto este show será diferente daquele apresentado no ano passado em São Paulo (que foi organizado pela Circuito Produções. O deste ano está nas mãos da Conexão Cultural, com patrocínio da gigante Petrobrás).

Lembro que o mentor do evento, o boa-praça Tommy Tallarico, se declarou um apaixonado pelo Brasil e já queria retornar para cá antes mesmo de ter ido embora. Se no ano passado o VGL pousou em SP e RJ, este ano Brasília foi adicionada à turnê. Será que no ano que vem mais cidades entrarão na rota? O que não falta é gente do Nordeste e do Sul do país querendo assistir a esse espetáculo ao vivo… libere a verba, Petrobrás.

Nos vemos lá?

***

O evento de lançamento de Halo 3, no próximo dia 21, será em um Shopping de São Paulo, mais especificamente dentro de um Lasershots (uma espécie de paintball virtual). Será, no mínimo, diferente. Lembro que quando lançou Forza Motorsport 2, há alguns meses, a Microsoft levou os jornalistas a uma pista de kart fora da cidade.

O que me deixa realmente curioso a respeito do evento de lançamento da versão 360 de Grand Theft Auto 4, no ano que vem…

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags:
11/09/2007 - 21:40

Celebrações, homenagens

Compartilhe: Twitter

Hoje, a Tec Toy celebra seus 20 anos de existência e sua privilegiada posição no mercado de games brasileiro com uma festa só para convidados em São Paulo. Para quem não sabe, a Tectoy Mobile, braço da empresa especializado em jogos para celulares (uma joint-venture da Tectoy com a Level Up! Games), é hoje uma das principais líderes em novos produtos no mercado nacional, anexando estúdios nacionais, resgatando velhas franquias e contratando funcionários.

E não só isso, a Tectoy prometeu lançar o sensacional Nabaztag no Brasil. E eu quero um.

Motivo para comemorar, isso lá tem.

***

Já a Microsoft promete nos ensinar a “salvar o mundo” no próximo dia 21: é esta a data do evento de lançamento de Halo 3 para Xbox 360 no Brasil. Já não sei se será um evento na parte da manhã ou uma festança noturna, como foi o lançamento do console no ano passado.

***

A mesma Microsoft me convidou hoje para um evento que, suponho, deve ser aberto aos interessados:

… o primeiro GameFest Brasil 2007 acontece no dia 15 de setembro, das 9h às 19h, em São Paulo (Unip Tatuapé, Rua Antonio de Macedo, 505, Parque São Jorge). O evento reunirá a comunidade de desenvolvedores e estudantes interessados em criar jogos para as plataformas Microsoft no PC ou em Xbox360.

O GameFest Brasil 2007 contará com a participação de programadores, artistas de mídia, professores e estudantes, além de empresas e publishers. A programação do evento prevê a realização de palestras sobre a perspectiva da indústria de games no Brasil, além de cursos sobre o desenvolvimento de jogos na plataforma XNA, da Microsoft.

Mais informações em aqui.

***

Enquanto isso, muita gente deve estar comemorando o vazamento da versão sem cortes de Manhunt 2 para PlayStation 2. O game enfim havia sido aprovado para lançamento, após a Rockstar Games ter executado diversos cortes na baixaria para reduzir a restrição etária de “AO” (Adults Only) para “M” (Mature, ou menores de 17 anos). Não adiantou: a versão que vazou (dizem que começou na Europa) é a sem cortes, cheia de sangue espirrando e mortes horríveis, mas não deve ser a final, porque traz muitos bugs. Quem jogou diz que é tudo aquilo que se esperava. Se você colocar as mãos nessa versão, conte aqui a sua experiência.

***

E o Gamer.br finaliza hoje com a lembrança do jornalista e amigo Leandro Calçada, que há pouco mais de um ano nos deixava(em 7 de setembro de 2006, para ser mais exato).

Um abraço, onde estiver.

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags:
05/09/2007 - 12:55

Vai e Vem

Compartilhe: Twitter

Então, sobre as mudanças no mercado editorial que este blog adiantou na semana passada:

Os jornalistas Fabio Santana e Renato Bueno saíram oficialmente da Futuro Comunicação, e, por conseqüência, deixaram o comando da revista EGM Brasil + EGM PC.

Quem tem acesso ao Orkut pode ler o “comunicado oficial” de ambos aqui.

Ainda não foi revelado publicamente quem irá comandar a revista daqui para frente. Mas imagino que não deverá rolar nenhuma contratação no quadro da empresa neste momento.

Já os destinos do Fabão e do Bueno ainda não são públicos – eu sei, mas prefiro esperar que eles mesmos anunciem. Mas quem é esperto e sabe fazer conta pode começar a especular pelo menos uma das histórias…

A fila anda, a roda gira e nada será como antes, assim diria o poeta.

Autor: - Categoria(s): Tudo ao mesmo tempo Tags:
Voltar ao topo